MÚSICA

Justiça rejeita ação do bebê de 'Nevermind', álbum do Nirvana. Entenda

Aos 30 anos, Spencer Elden processou a banda argumentando que foi vítima de "exploração sexual"

Emannuel Bento
Emannuel Bento
Publicado em 04/01/2022 às 14:54
Divulgação
Spencer Elden, em imagem de 2016, segurando uma cópia de 'Nevermind', álbum que ele estampou ao quatro meses de idade - FOTO: Divulgação
Leitura:

A Justiça do estado da Califórnia, nos Estados Unidos, rejeitou nesta segunda-feira (3) a ação movida contra o Nirvana por Spencer Elden, que apareceu nu quando era bebê, com quatro meses, na capa do clássico "Nevermind" (1991). A decisão do juiz Fernando Olguin ocorreu porque a defesa do estadunidense perdeu o prazo - que era até o último dia 30 - para apresentar uma resposta ao pedido dos representantes do antigo grupo para encerrar o caso.

A equipe de advogados de Elden tinha até 30 de dezembro para responder a solicitação, mas não o fez, o que motivou a ação do juiz Fernando Olguin. É possível recorrer da decisão até o dia 13 de janeiro.

Jovem alegou 'exploração sexual'

Aos 30 anos, Elden processou o Nirvana no ano passado, argumentando que foi "vítima de exploração sexual" e que a obra constituía abuso sexual infantil. Ele afirmou que a imagem da capa o causou "sofrimento emocional extremo e permanente", além da perda de oportunidades de emprego e da "alegria de viver".

 

Divulgação
O álbum 'Nevermind' do Nirvana - Divulgação

Ele solicitou indenização de pelo menos US$ 150 mil de cada um dos 15 réus, que incluem os membros sobreviventes do Nirvana, a viúva de Kurt Cobain, Courtney Love, e as gravadoras que lançaram ou distribuíram o disco nas últimas três décadas.

'Jovem parecia gostar de notoriedade', disse defesa

Em dezembro, a defesa da banda pediu o fim do processo, apontando que os argumentos de Elden não tinham mérito. Os advogados justificaram que, a partir da teoria dele, qualquer um que possuísse uma cópia do álbum seria culpado por posse de pornografia infantil, por exemplo. No documento, destacaram também que, até recentemente, o jovem parecia gostar da notoriedade adquirida como o "bebê do Nirvana".

Foto: Reprodução do Facebook
Spencer Elden foi o bebezinho que serviu como modelo para a capa do ábum Nevermind - Foto: Reprodução do Facebook

Em dezembro do ano passado, a defesa da banda pediu o fim do processo, apontando que os argumentos de Elden não tinham mérito. Os advogados alegaram, por exemplo, que qualquer um que possuísse uma cópia do álbum seria culpado por posse de pornografia infantil. No documento, ainda destacaram que o jovem "parecia gostar da notoriedade adquirida como o 'bebê do Nirvana'."

"Ele reencenou a fotografia muitas vezes; tatuou o título do álbum no peito; apareceu em um talk show vestindo um macacão cor nude e fez uma paródia de si mesmo; autografou cópias da capa do álbum para vender no eBay; e usou a fama para tentar se aproximar de mulheres", dizia o documento do pedido.

Clássico do rock

Abrindo os anos 1990, "Nevermind" apresentou o Nirvana para o mundo e tornou o "grunge" uma tendência do rock. O disco tem clássicos como "Smell Like a Teen Spirit" e "Com As You Are". A capa do bebê perseguindo uma nota de dólar numa piscina se tornou uma das iconografias mais marcantes da história recente da música pop.

Comentários

Últimas notícias