memória

Zé Marcolino, autor de Numa Sala de Reboco, faria 90 anos hoje

Compositor paraíbano teve várias música gravadas por Luiz Gonzaga

José Teles José Teles
José Teles
José Teles
Publicado em 28/06/2020 às 9:53
Notícia
Divulgação
Zé Marcolino, poeta do Sertão - FOTO: Divulgação
Leitura:

O caboclo Marcolino alimentava o sonho de ver composições que fazia gravadas por Luiz Gonzaga. Morando no sertão da Paraíba, na divisa com Pernambuco, seu talento não muito além da região, dificilmente conseguiria chegar ao Rei do Baião, um mito nordestino, independente da moda do baião de ter passado no Sudeste, naquele começo da década de 1960. Zé Marcolino conseguiu ser gravado por Luiz Gonzaga. Mais que isso, fez turnê com ele, e chegou a morar em sua casa, no Rio.
Uma história bonita, cujo personagem principal está cada vez mais esquecido. José Marcolino Alves, natural de Sumé, na Paraíba, completaria 90 anos nesse domingo, véspera de Dia de São Pedro. Nos festejos contidos do período junino de 2020, pelo menos uma composição de Zé Marcolino ficou entre as mais tocadas, como acontece todos os anos, desde que foi lançada por Luiz Gonzaga: Numa Sala de Reboco.
Quem escrevia as cartas para Luiz Gonzaga era um amigo de Zé Marcolino. O compositor encaixava no impossível a possibilidade de ser gravado por seu ídolo. No seu livro Vida, Versos e Viola (Fundarpe, 1990), Marcolino conta em detalhes como aconteceu o encontro com Luiz Gonzaga, e tudo começando com um sonho:
“(...) Eu sonhei que atirava num bicho e matava dois. Ao amanhecer eu disse para minha mulher: hoje eu vou à procura de um negócio e vou realizar dois”. Naquele dia ele ia a Sumé receber o dinheiro de um boi que tinha vendido. Encontrou um irmão dele, Antonio Marcolino, que lhe contou que Luiz Gonzaga encontrava-se na cidade. Zé Marcolino foi imediatamente ao hotel em que Lua estava hospedado. Na frente do hotel reconheceu Xaxado, o anão, que substituiu Catamilho, igualmente anão. O baiano Osvaldo Nunes Pereira, que Lua deu o apelido de Xaxado, e que também ficou conhecido como Salário Mínimo.
Xaxado lhe disse que era só espera que Luiz Gonzaga estava já descendo. Aconteceu um diálogo em que se debatem a ingenuidade de Zé Marcolino, com a casmurrice de Luiz Gonzaga. Seu Lua era de luas. Naquela manhã, ele não estava em boa lua. Marcolino se aproximou dele e falou:
- O senhor é que é seu Luiz Gonzaga?
- Sou, por quê?
- O senhor nunca recebeu cartas de José Marcolino Alves não?
- Sei não. Recebo muitas. O que era que diziam estas cartas?
- É que tenho eu tenho umas músicas de minha autoria que eu acho que dão certo pro senhor
- É ... O sertão é composto por homens inteligentes, mas quem sabe se estas músicas prestam?
Dizendo, um “Depois posso lhe atender”, Luiz Gonzaga pediu licença e saiu. Zé Marcolino sentiu-se intimidado e inseguro com o tratamento recebido de seu Luiz. Mas insistiu. Foi falar com o prefeito para que ele o apresentasse a Gonzaga, mas o prefeito desconversou. Procurou um chefe político local, seu amigo, Viton Leite, que prometeu fazer a apresentação ao meio-dia. Na hora aprazada Marcolino foi ao hotel. Luiz Gonzaga ia chegando, com o juiz da cidade. A lua de Lua já mudara. Antes de Zé Marcolino falar, Gonzaga que falou. Disse que queria escutar as músicas. Sentaram-se os dois no saguão do hotel. Logo curiosos aglomeravam-se ao redor. Luiz pediu que Zé mostrasse as músicas. A primeira que cantou foi Sertão do Piancó (resposta a uma música gravada por Jackson do Pandeiro sobre o Sertão do Moxotó). Quando a música terminou, Luiz Gonzaga perguntou quantas ele lhe daria pra levar. Marcolino mostrou ainda Pássaro carão, e Serrote Agudo. Luiz Gonzaga levou para o Rio não apenas as composições, mas também o caboclo Marcolino.
Gonzaga disse-lhe que ia fazer uns shows, e que dentro de dois meses passaria para apanhá-lo. O Rei era de rompantes. Nem esperou que Zé Marcolino fizesse as malas e se despedisse da família direito (o que fez às lágrimas). No dia 18 de janeiro de 1962, no estúdio da RCA, Com Zé Marcolino no gonguê, Xaxado no triângulo, Aloísio (irmão de Gonzaga), no zabumba, Luiz Gonzaga gravaria o repertório Véio Macho. Metade das 12 faixas era de Zé Marcolino.
Ele participou da turnê de divulgação do disco, começando pelo Sul do país. Quando se dirigiram ao Nordeste, Zé Marcolino já estava decidido: não voltaria ao Rio. No xote Matuto Aperreado, gravado por Luiz Gonzaga, ele descreve bem como se sentiu na cidade grande: “Fico doido com tanta fala de gente/e a zuada de automóvel a me assustar/se na rua vou fazer um cruzamento/tenho medo, eu num posso atravessar/desse jeito, eu sou franco em dizer/mas um dia eu aqui não posso mais ficar”. No final da demorada turnê, no Crato. Ele pegou um ônibus para Campina Grande, e lá foi de táxi para a Prata, e logo estaria com a família.
Por ironia do destino, o matuto que temia atravessar as movimentadas ruas do Rio, morreu, em 20 de setembro de 1987, ao tentar desviar seu carro, de uma vaca que atravessava a rodovia, passava por Afogados da Ingazeira. Vinha com um filho, Ubirajara Marcolino, que foi hospitalizado, mas sem gravidade. Zé Marcolino, sofreu fratura na crânio, foi levado para o Recife, mas faleceu à altura de Vitória de Santo Antão, estava com 57 anos.
DISCO
Entre as grandes e importantes contribuições do Quinteto Violado para a cultura pernambucana, e brasileira, está o LP Sala de Reboco, em que cumpriu o papel de acompanhantes para Zé Marcolino no que seria seu disco de estreia e o único que gravaria. Marcolino gravou com o acompanhamento de luxo do Quinteto Violado, com Toinho Alves na direção musical. As gravações foram realizadas no estúdio da Rozenblit, na Estrada do Remédio:
“Zé Marcolino era sempre muito disciplinado, já chegava ao estúdio com os arranjos já definidos. Toinho era muito exigente no aspecto. Então, acredito que trabalhamos duas semanas em estúdio. Montando as bases e mais uma semana para concluir, mixagem e edição final. Não lembro, mas acho que foi masterizado em São Paulo. Daí tivemos uma aproximação amigável e afetuosa com o poeta. Incluímos ele nos nossos shows daquele ano. Fizemos juntos o programa Som Brasil, com o Rolando Boldrin que ficou encantado com os causos matutos do Zé Marcolino”, quem relembra a gravação do disco é Marcelo Melo, do Quinteto Violado, que dedicou, em 2010, um disco inteiro à obra do compositor: “Nosso trabalho com a obra do Zé Marcolino foi tão importante, que resolvemos colocar na nossa série: Quinteto Canta”, diz Marcelo Melo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias