disco

Nuno Mindelis canta suas memória afetivas angolanas

Guitarrista que ajudou a criar uma cena de blues no Brasil, saiu de Angola em 1975

JC
JC
Publicado em 14/10/2020 às 14:37
Notícia

Divulgação Sesc
Nuno Mindelis, em kimbundo - FOTO: Divulgação Sesc
Leitura:

O guitarrista Nuno Mindelis, angolano, filho de portugueses, deixou o país de nascença às pressas, em 1975, em meio a uma guerra civil que eclodiu depois da independência de Portugal, por si só, já um conflito sangrento. Não pode levar sua coleção de discos, boa parte dela de MPB, incluindo discos de Jorge Ben (antes do Jor). 45 anos depois, Mindelis inclui no seu novo álbum, uma versão de quase sete minutos de País Tropical, composta em 1968, na passagem casual do carioca Benjor pelo tropicalismo.
É uma das faixas de Angola Blues um disco de blues de feliz sincretismo rítmico, em que o blues converge para o suingue latino-americano, cantado em quimbundo, um dos dialetos angolanos, e em português, com participações especiais do casal Flora Purim e Airto Moreira em uma trinca de faixas, Birim Birim, Brinca n’Areia (Dikanzas do Prenda), e Muxima. Em Cabinda conta com a voz de Jessica Areias (cantora angola, que está há cinco anos Brasil). Velho conhecido dos festivais de blues arquitetados pelo produtor Giovanni Papaléo, e dos festivais de jazz e blues, acontecidos, durante o carnaval, primeiro em Garanhuns, e há cinco anos em Gravatá, Nuno Mindelis faz um disco diferente, ao mesmo tempo um dos seus trabalhos mais originais.
Este retorno afetivo ao país onde passou a infância e adolescência acontece depois de Nuno Mindelis estar com 44 anos de Brasil (com uma passagem rápida pelo Canadá), onde foi um dos sedimentadores da cena blueseira com Blues Etílico, e André Christovam, no final dos anos 80. Este é o décimo álbum de uma carreira que se estendeu aos EUA, para dividir disco com o também guitarrista Duke Robillard. Neste Angola Blues ele toca Dhieego Andrade (bateria), Marcos Klis (baixo), Alex Bessa (teclado), e com o reforço do percussionista Ilker Ezaki, um dos mais requisitados nomes da nova geração da percussão brasileira.
Cabinda é a única faixa assinada por Nuno Mindelis (homenagem à cidade em que nasceu). Uma das faixas, Monami Zeca tem uma curiosidade. Em 1980, Geraldo Azevedo participou da maior caravana de músicos brasileiros que já viajou ao exterior, para apresentações e Angola. Uma música que ele aprendeu em Angola foi gravada cinco anos mais tarde, no álbum A Luz do Solo, com o título de Mona Ami (Tonito/Liceu Vieira Dias), e é cantada também em quimbundo.
Nuno Mindelis toma liberdades, tanto nas canções angolanas, quando em País Tropical equilibrada entre o suingue de Benjor, e o blues, mexe até na letra, “Tenho uma guitarra e um wah wah/sou cabinda e minha namorada é linda”. Mindelis também trilha um caminho mais ousado, no diálogo de pandeiro e guitarra que abre Mona Ki Ngi Xica (Bonga). Os africanos em tempos recentes levaram o blues de volta à África, recriando-o com os ritmos locais, Nuno Mindelis, traz o blues e a música africana de angola para a América Latina. No disco tem momentos de guitarra à Carlos Santana, feito na ótima Tuala Ni Ji Henda (Luís Ngambi), em que além de confirmar os dons de guitarrista talentoso, Mindelis se prova um cantor que se garante.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias