Recomendações

Associação de shopping centers sugere adiamento de cobrança de aluguel

A ideia é que o aluguel seja postergado nesse período de crise

JC
JC
Publicado em 24/03/2020 às 14:22
Notícia
Acervo/JC imagem
Recomendações foram feitas nesta terça-feira (24). - FOTO: Acervo/JC imagem
Leitura:

A Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) fez recomendações aos associados e lojistas de "boas práticas" que podem ser adotadas pelo setor diante do impacto econômico causado pela pandemia do novo coronavírus (covid-19). No posicionamento, a Abrasce lembra que praticamente todos os shoppings do País foram fechados por decretos públicos, zerando as vendas desses estabelecimentos e faz três recomendações. Entre elas, intensificar as ações de redução de custos condominiais e adiar aluguel dos lojistas.

Após o lançamento das recomendações, o presidente da Abrasce, Glauco Humai, precisou esclarecer, em entrevista ao Broadcast do Estadão, que a cobrança de aluguel dos lojistas será apenas adiada, e não isenta como anunciou a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop).

A ideia é que o aluguel seja postergado nesse período de crise. "Neste momento difícil, nós acreditamos que a melhor prática no setor é não cobrar o aluguel agora e discutir posteriormente. É o momento de entender que o lojista está pressionado, está de cabeça cheia", contou Humai. "Mas não se trata de isentar o aluguel. Ele continua sendo devido", frisou.

O presidente da Abrasce ponderou que os contratos entre shoppings e lojistas são individuais, de modo que não cabe a nenhuma associação determinar uma posição comum a ser seguida de modo compulsório. "O que nós recomendamos foi a adoção de boas práticas. Cada shopping é livre para fazer o que quiser", acrescentou.

O representante das redes de shoppings disse ainda que há um esforço para redução da taxa de condomínio em pelo menos 30%, mas lembrou que não é possível suspender essa cobrança porque há custos fixos com energia, segurança, manutenção e IPTU, por exemplo. "Estamos renegociando contratos para cortar esses custos".

Comentários

Últimas notícias