Quarentena

Famílias em isolamento sofrem com aumento nas despesas de casa

Ficar em casa todos juntos implica em gastar mais água, energia elétrica e mantimentos. Em 15 dias de quarentena as famílias já sentem no bolso o gasto a mais

Edilson Vieira
Edilson Vieira
Publicado em 03/04/2020 às 17:06
Notícia
Fernanda Leal
Família Leal Vieira cumpre a quarentena rigorosamente e apesar do desafio de administrar as contas que estão chegando mais caras afirmam que ficar em casa é necessário - FOTO: Fernanda Leal
Leitura:

Não completamos nem um mês de quarentena, mas as famílias já estão sentindo no bolso os efeitos da permanência prolongada em casa. Ainda mais com todos os integrantes da família juntos, ao mesmo tempo. O consumo de água, energia elétrica, gás de cozinha e de mantimentos aumentou. E muito.

“O ventilador é ligado o tempo todo por conta do calor. E, pelo mesmo motivo, o número de banhos por dia aumentou de dois para três, por pessoa. A máquina de lavar que era usada apenas uma vez por semana, agora é quase todo dia. E tem ainda os três televisores que ficam ligados ao mesmo tempo porque cada um quer assistir uma programação diferente”, diz o funcionário público Erilson Vieira, morador do Bairro do Curado, em Jaboatão dos Guararapes. Ele, a esposa e a filha de 23 anos cumprem rigorosamente a quarentena até porque o casal faz parte do grupo de risco. Ele como ex-fumante e hipertenso e a esposa por histórico de asma .

“Não dá para relaxar com a higiene neste período então acaba-se gastando mais água com a lavagem das mãos, já que não dá para usar o álcool em gel o tempo todo porque sairia mais caro”, diz Graça Leal, esposa de Erilson. A conta de energia desse mês já veio mais cara. De R$ 190 passou para R$ 220. A da água ainda não chegou, mas Erilson estima um aumento na ordem de 10% a 15%. “E nem completamos um mês no isolamento”, alerta. Mesmo assim ele faz questão de mandar a mensagem: “É difícil mas necessário. Todo mundo tem que ficar em casa mesmo”, diz Erilson.

O gerente comercial Gilson Filho, mora no Bairro de Casa Caiada, em Olinda. Junto com a esposa, que é professora, e o filho de 10 anos. Gilson também espera por despesas maiores com água e energia no período da quarentena. Mas tem um item do orçamento familiar que já está incomodando. O gasto com alimentação. “Antes, nossa feira dava em torno de R$ 500 e era suficiente para passar o mês. Hoje, tudo acaba antes, até o detergente de lavar pratos”, observou Gilson. O jeito é recorrer aos mercadinhos do bairro, no meio da semana. “Cada ida ao mercadinho é R$ 50, R$ 70 que ficam. Se juntar com o valor da feira maior, vamos gastar uns mil reais de supermercado este mês”, calcula Gilson.

Quem também está suando para adequar o orçamento a este momento de isolamento social é a professora de hidroginástica Diane Barbosa, que mora com o marido, policial e a filha de 14 anos. Na conta de luz de Diane já veio registrada a diferença a mais no consumo. “Era R$ 180, passou para quase R$ 240”, diz ela. E na cozinha, o botijão de gás que dava para mais de 30 dias agora parece que não vai chegar ao final do mês. “Agora é todo dia cozinhando, café da manhã, almoço e jantar”, diz ela.

A procura por gás de cozinha explodiu nos dias que antecederam o fechamento do comércio e das escolas e a interrupção da maioria do serviço público. “Foi naquela semana que todo mundo correu para armazenar mercadorias em casa. Vendi tanto que cheguei a zerar meu estoque de 960 botijões. Isso nunca tinha acontecido”, disse Evyo de Abreu e Lima, dono de três pontos de revenda de gás de cozinha no Grande Recife. O resultado é que agora que o consumo está aumentando, pode haver alguma dificuldade de se encontrar o produto mais adiante. Mas não por conta do fornecimento de gás.

“O fornecimento de GLP pelas distribuidoras em Suape está absolutamente normal, mas algumas marcas de gás de cozinha estão com problemas em relação aos vasilhames de 13 quilos. A dificuldade já existia antes do isolamento social mas como muita gente comprou botijões extras para guardar em casa com medo do desabastecimento, que nunca houve, esses botijões agora podem fazer falta nas revendas”, disse Magnus Martins, revendedor de gás de cozinha na cidade de Paulista, Região Metropolitana do Recife.

Contactadas pela reportagem, a Celpe e a Compesa também se manifestaram em relação ao aumento no consumo por parte das famílias. A Celpe afirmou por nota que o consumo residencial permanece dentro do previsto para a época, “não tendo registrado maiores ocorrências que afetassem a normalidade diária do fornecimento”. Já a Compesa divulgou nota onde afirma que “está em consolidação os dados sobre o consumo de água no Estado antes e depois das medidas restritivas de combate à pandemia do coronavírus. A expectativa é ter esses números em abril, quando será fechado o primeiro ciclo após instauração da quarentena em Pernambuco”. A companhia de água também alertou para o consumo consciente e sem desperdícios neste período.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias