e-commerce

Vendas online impulsionam lojas de sex shops durante a quarentena

Sem poder sair de casa, muita gente tem investido em "brinquedinhos" para passar o tempo

Edilson Vieira
Edilson Vieira
Publicado em 22/05/2020 às 23:00
Notícia
Divulgação
Dona de um sex shop no bairro da Torre, Zona Norte do Recife, Vanessa Pessoa confirma que as vendas online cresceram - FOTO: Divulgação
Leitura:

Se os donos de motéis do Grande Recife estão encontrando prejuízo por conta do isolamento social causado pelo coronavírus, o mesmo não pode ser dito dos sex shops. O segmento registrou uma procura crescente nesta quarentena. E tudo graças as vendas online.

>> Movimento nos motéis de Pernambuco cai 85% por causa do isolamento social

Stephanie Seitz, diretora da INTT, atua no atacado do setor. Ela é fabricante de cosméticos e importadora dos chamados sex toys, brinquedos sexuais. A empresa, com sede em São Paulo, tem cerca de 15 mil clientes em todo o País, e não tem do que reclamar. Sem loja física, as vendas online aumentaram 40% nos últimos dois meses.

Divulgação
Stephanie Seitz, diretora da INTT, atua no atacado do setor e disse que vendas online aumentaram cerca de 40% - Divulgação

“No início da quarentena os pedidos pararam, provavelmente porque o pessoal não sabia o que ia acontecer. Mas depois a nossa venda de brinquedos estourou e nesta última semana cresceu mais ainda. Os comerciantes entenderam que a saída está no e-commerce e também porque o Dias dos Namorados está chegando e é preciso refazer os estoques”. Stephanie afirma que a quarentena pode se tornar uma boa oportunidade de negócios. “Neste isolamento as pessoas estão permitindo se conhecer, por isso tem aumentado muito a venda de vibradores, por exemplo. Quem antes não comprava da gente agora está comprando, é um mercado em ascensão”, afirmou a empresária.

A comerciante Vanessa Pessoa tem um sex shop no bairro da Torre, Zona Norte do Recife e confirma que as vendas online cresceram. No caso dela, cerca de 80%, depois do isolamento social. Apesar de ter começado como e-commerce há 12 anos o foco das vendas era o atendimento presencial mas agora, diz ela, tudo mudou. “Tivemos que focar nas vendas pelo site e na entrega delivery. Muitos clientes também querem comprar pelas redes sociais então é preciso estar atento para responder a esse público”. O perfil do comprador também mudou, segundo Vanessa. Apesar de ter cerca de 300 tipos de produtos na loja, quase 70% das vendas tem sido de acessórios (vibradores e estimuladores). A clientela é, na grande maioria, formada por casais.

A empresária Camilla Vargas tem três lojas de artigos eróticos, duas no Recife e uma em Olinda. Ela tem outra ideia em relação as vendas online. “De fato, depois que as lojas fecharam por conta da pandemia, minhas vendas online cresceram 85% mas, nem de longe compensam o faturamento com as vendas presenciais”, diz a empresária. Camilla optou por um modelo de loja em bairros nobres e galerias, o que representa um custo elevado com aluguel.

DIVULGAÇÃO
A empresária Camilla Vargas tem três lojas de artigos eróticos, duas no Recife e uma em Olinda - DIVULGAÇÃO

“Na compra física, na conversa com o vendedor, o cliente é melhor informado e compra a experiência, e não apenas o produto. Tanto isso é verdade que meu tíquete médio de vendas na loja era de R$ 400, R$ 500 por cliente, enquanto no online fica abaixo dos R$ 200. Na loja, o cliente é capaz de comprar um vibrador de R$ 1.000. Na internet isso não acontece”, diz Camilla.

 

DIVULGAÇÃO
A empresária Camilla Vargas tem três lojas de artigos eróticos, duas no Recife e uma em Olinda - FOTO:DIVULGAÇÃO
Divulgação
Stephanie Seitz, diretora da INTT, atua no atacado do setor e disse que vendas online aumentaram cerca de 40% - FOTO:Divulgação

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias