Artesanato

Fenearte não vai acontecer em julho, por causa da pandemia do novo coronavírus

A maior feira de artesanato da América Latina estava programada para acontecer entre 1º e 12 de julho, mas a pandemia da covid-19 prejudicou a realização da 21ª edição do evento. Governo vai fazer um evento online do artesanato pernambucano para estimular comercialização

Adriana Guarda
Adriana Guarda
Publicado em 29/06/2020 às 19:35
Notícia
Leo Motta/JC Imagem
No ano passado, Fenearte recebeu 300 mil visitantes - FOTO: Leo Motta/JC Imagem
Leitura:

A Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte) não será realizada em julho, em consequência da pandemia do novo coronavírus. A 21ª edição do evento, que homenageava os 50 anos do Movimento Armorial criado por Ariano Suassuna, estava programada para acontecer entre os dias 1º e 12 de julho. Realizada no pavilhão do Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, a Fenearte recebeu um público de 300 mil pessoas no ano passado. Principal momento de vendas dos artesãos do Estado ao longo do ano, a mostra movimentou R$ 45 milhões em 2019. A não realização do evento vai geral um prejuízo incalculável aos artesãos pernambucanos, não apenas pela anulação das vendas no local, mas também dos contatos firmados durante o evento e que se revertem em negócios ao longo de todo o ano. O governo não estabeleceu uma nova data. 

Nesta segunda-feira (29) os artesãos que participam da feira receberam um comunicado por e-mail, da Diretoria de Promoção da Economia Criativa da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper), informando que não será possível realizar a 21ª Fenearte na data programada. "Em meio ao cenário provocado pela Covid-19 no Brasil é nosso compromisso garantir a segurança e saúde, em primeiro lugar, de expositores, mestres e visitantes", diz o texto. O governo espera realizar um evento online para comercialização do artesanato pernambucano, mas ainda sem data. 

No ano passado, 5 mil expositores participaram da feira, distribuídos em 800 estantes e ocupando uma área de 30 mil m². Do total de estandes, 75% foi de artistas pernambucanos. Além dos artesãos locais, também participaram produtores de 24 Estados e de 21 países. A realização da Fenearte recebe investimento de R$ 5,5 milhões e gera 2,5 mil empregos temporários. 

NOVA DATA? 

No comunicado aos artesãos, a AD Diper esclarece que está tentando viabilizar uma nova data para realizar a 21ª Fenearte, mas não informa se ainda seria para este ano ou só em 2021. "Entendendo ainda que a Fenearte é um importante elemento estruturador da cadeia produtiva do artesanato, e, em especial, para o artesão pernambucano, e cumpre o papel fundamental em fomentar a política pública de cultura do Estado. Assim, ajudando a resgatar e valorizar a cultura popular pernambucana, seguimos debatendo e avaliando alternativas que possam viabilizar a 21ª edição da Fenearte em um momento mais oportuno, e com toda a segurança e seguindo determinações das autoridades sanitárias", informa, dizendo que vai avisar aos artesãos caso haja novidades.

Mestre Ivo Diodato, de Tracunhaém, lamenta a não realização da Fenearte e diz que seria bom se a feira ainda acontecesse esse ano, mas não seria a mesma coisa de qualquer maneira. "Gostaria muito que isso acontecesse, mas diante dessa inquietação por causa da pandemia, a gente acredita que mesmo se acontecer no final desse ano o público vai ser muito abaixo da expectativa. Diante dos investimentos que é feito e do retorno que se espera", observa. Hoje, o principal canal de comercialização do artesão é o Instagram: @ivodiodato

DEVOLUÇÃO DO DINHEIRO 

A AD Diper esclarece que devolverá os valores pagos na aquisição de estandes. Para receber o artesão precisa responder o e-mail encaminhado pela AD Diper, com os dados bancários em nome do expositor que consta no contrato. O valor pago será corrigido pelo IPCA e devolvido ainda durante o mês de julho, segundo a AD Diper.  

CAMPANHAS

Durante a pandemia, com o fechamento também do Centro de Artesanato, o governo criou algumas ações para garantir alguma venda aos artesãos. São as campanhas as campanhas Abrace o Artesão Pernambucano, Artesanato Solidário e Vale Artesanato. O Abrace transformou as redes sociais do Centro de Artesanato de Pernambuco numa vitrine que possibilita diretamente a divulgação e negociação entre artesão e cliente.

Já o o Artesanato Solidário é uma ação de compra pelo Governo do Estado do estoque dos falando que estão com produtos disponíveis nas lojas físicas do Centro de Artesanato de Pernambuco e dependem financeiramente dessa comercialização. Assim, mais de 1.000 artesãos estão sendo contemplados. Todos os produtos adquiridos serão doados posteriormente, através de um chamamento público, para instituições filantrópicas sem fins lucrativos.

O Vale Artesanato PE é um voucher de presente digital em diferentes valores, que pode ser comprado na plataforma digital do Centro de Artesanato de Pernambuco (centrodeartesanatodepe.lojavirtualnuvem.com.br) e que depois poderá ser trocado em uma das unidades físicas do Centro de Artesanato de Pernambuco (Unidades Recife, Olinda ou Bezerros) a partir do momento que estiverem abertas.

A próxima iniciativa será um evento de comercialização online do trabalho dos artesãos de Pernambuco, com data a ser definida. 

 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias