AVALIAÇÃO

Nordeste tem desempenho fraco no Ranking de Competitividade dos Municípios, com o Recife ocupando a 100ª posição

A capital pernambucana, levando-se em conta só o Nordeste, teve o segundo melhor resultado da região

Lucas Moraes
Lucas Moraes
Publicado em 19/11/2020 às 13:51
Notícia

BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
PILARES Saúde, educação e saneamento são alguns dos pontos avaliados - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

Os municípios que compõem a região Nordeste tiveram destaque negativo na primeira edição do Ranking de Competitividade dos Municípios, realizado pelo Centro de Liderança Pública (CLP) em parceria com a Gove e o Sebrae. O levantamento avalia a capacidade competitiva das 405 cidades com mais de 80 mil habitantes do Brasil. Do Nordeste, 88 municípios foram analisados, mas nenhum está entre os 60 primeiros colocados. O melhor posicionamento no índice geral do ranking é de João Pessoa (70º). O Recife aparece em seguida, figurando apenas na 100ª posição.

As cidades foram analisadas partir de 55 indicadores, distribuídos em 12 pilares temáticos e três dimensões consideradas fundamentais para a promoção da competitividade e melhoria da gestão pública dos municípios brasileiros. Os pilares vão da Sustentabilidade Fiscal ao Funcionamento da Máquina Pública, Acesso à Saúde, Qualidade da Saúde, Acesso à Educação, Qualidade da Educação,
Segurança, Saneamento e Meio Ambiente, Inserção Econômica, Inovação e Dinamismo Econômico, Capital Humano e Telecomunicações. 

"Na análise do Nordeste, temos 88 municípios, que representam 22% da amostra. A região é a segunda com maior número de cidades avaliadas, porém o melhor posicionamento é o 70º lugar. Estamos falando aqui ainda de indicadores, em sua maioria, até 2019. Os efeitos da pandemia não foram capturados nos resultados apresentados este ano", diz o co-fundador da Gove, José Rodolfo Fiori.

Além de João Pessoa e do Recife, aparecem na sequência da lista duas cidades do Ceará e uma do Piauí: Sobral, Fortaleza e Teresina, nas 121ª, 153ª e 182ª colocações, respectivamente. Levando em conta só os municípios do Nordeste, além da capital, com o segundo melhor resultado, figuram entre os 30 melhores colocados Caruaru (7ª posição); Serra Talhada (12ª posição); Petrolina (14ª posição); Santa Cruz do Capibaribe (19ª posição); Olinda (22ª posição); Garanhuns (23ª posição) e Jaboatão dos Guararapes (28 posição). No Estado, ao todo 18 municípios foram avaliados. 

Notas dos municípios de Pernambuco

Sustentabilidade fiscal > funcionamento da máquina pública > acesso à saúde > qualidade da saúde > acesso à educação > qualidade da educação > segurança > saneamento e meio ambiente > inserção econômica > inovação e dinamismo econômico > capital humano > telecomunicações > nota geral > posição no ranking

 
Abreu e Lima
32,31 50,23 62,06 62,76 23,70 37,26 81,78 67,88 13,69 19,55 7,38 23,46 37,57 353
Araripina
30,5575,73 54,09 41,88 35,42 45,51 80,2256,21 14,13 11,95 51,99 17,69 39,87 328
Cabo de Santo Agostinho
47,71 65,93 68,63 55,17 31,88 35,80 60,55 61,39 26,95 23,20 10,91 30,1641,12 316
Camaragibe
36,42 63,62 62,91 62,59 28,93 42,6585,66 53,38 25,02 17,46 10,59 24,6039,59 330
Carpina
31,09 66,75 81,14 60,94 44,78 45,3682,80 56,44 24,36 14,21 15,42 26,3841,64 312
Caruaru
49,53 70,66 75,49 69,13 40,62 51,2878,58 81,13 26,46 17,88 20,64 37,2948,19 188
Garanhuns
44,29 72,75 77,59 53,08 28,52 51,9286,53 38,62 21,89 16,01 27,67 44,3343,35 268
Gravatá
37,55 59,62 67,77 45,12 37,79 40,3872,51 35,92 22,20 11,74 27,70 47,8338,98 338
Igarassu
37,07 66,71 75,45 49,55 39,97 39,5767,85 56,98 23,80 17,03 28,44 23,5840,71 321
Ipojuca
42,43 57,40 78,13 62,13 32,49 29,7565,97 46,56 30,22 21,86 24,29 31,3040,71 320
Jaboatão dos Guarapes
47,17 76,47 48,57 64,45 26,91 42,9382,76 64,60 28,88 18,16 11,53 31,7742,84 283
Olinda
42,10 69,51 41,91 69,17 26,41 41,6881,56 78,48 27,26 19,79 13,29 41,1043,85 260
Paulista
43,36 74,28 45,65 59,71 29,37 40,5381,08 78,79 24,32 17,21 10,36 29,3242,25 298
Petrolina
44,28 70,38 77,85 48,83 41,15 55,6864,21 82,58 28,62 19,70 13,60 48,7046,76 216
Recife
54,39 83,49 57,47 66,64 34,01 49,9372,61 76,65 40,45 34,00 35,18 44,0552,41 100
Santa Cruz do Capibaribe
39,16 64,26 65,01 69,40 27,44 43,8386,63 75,93 25,42 12,82 20,28 46,6844,54 251
São Lourenço da Mata
31,50 37,27 67,41 61,50 30,10 35,2077,97 52,24 19,02 13,78 5,9416,13 34,00 380
Serra Talhada
39,45 57,03 84,93 69,11 44,27 48,3980,37 71,46 19,51 12,96 52,77 36,4047,17 210
Vitória de Santo Antão
43,09 58,13 69,30 60,49 27,99 34,2477,80 48,18 24,15 16,01 13,94 49,2440,63 323

"O que a gente faz é pegar o conceito na esfera privada, entendido como ser uma empresa que entrega melhores resultados, e medir isso no setor público. Não é diferente, mas a entrega principal nesse caso é criação de bem-estar na localidade, conseguindo entregar melhores serviços públicos à população", afirma o coordenador de competitividade da CLP, Lucas Cepeda.

Ainda no ranking geral, os cinco primeiros colocados de todo o País são Barueri-SP; São Caetano do Sul-SP; São Paulo; Florianópolis-SC e Curitiba-PR. Os cinco piores municípios avaliados são todos do estado do Pará. 

Desempenho por pilares e dimensões

Além do ranking geral, os municípios também são avaliados sob a ótica dos pilares, que compõem a pontuação final de cada cidade. No Recife, as piores pontuações são da Inovação e Dinamismo Econômico (34); Acesso à Educação (34,01) e Capital Humano (35,18). Ao todo, a cidade pontuou 52,41 - ficando na 100ª posição do ranking geral. 

Dos 18 municípios avaliados no Estado, a pior nota geral foi do município de São Lourenço da Mata, localizado na Região Metropolitana do Recife. O município teve nota 34, ficando na 380ª posição do ranking geral entre todos os municípios do País avaliados. 

Comentários

Últimas notícias