CUSTO DE VIDA

Cestá básica cai 1,30% no Recife, diz Dieese

Foi a única capital a registrar queda na cesta básica. As outras 16 cidades que fazem parte do levantamento registraram altas.

JC
JC
Publicado em 07/12/2020 às 17:42
Notícia

Freepik
O óleo de soja apresentou uma alta de 10,81% na capital pernambucana, segundo a pesquisa do Dieese - FOTO: Freepik
Leitura:

A cesta básica do Recife caiu 1,30% na comparação de novembro com outubro, segundo a Pesquisa do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Das 17 capitais que participam do levantamento, em 16 foram registradas altas. Na maioria das cidades, os vilões da cesta básica foram o arroz, o óleo de soja, a carne, o tomate e a batata que apresentaram expressivos aumentos. 

>> Cesta básica subiu 5,05% em outubro, informa o Procon-PE

O valor da cesta básica ficou em R$ 462,98 no Recife. Os produtos com alta de preço médio na capital pernambucana foram: óleo de soja (10,81%), farinha de mandioca (10,26%), carne bovina de primeira (4,09%), arroz agulhinha (3,92%), açúcar refinado (3,31%), manteiga (2,67%) e café (2,57%). Já os itens que puxaram a média da cesta básica para baixo foram: banana (-22,11%), pão francês (-5,76%), tomate (-3,08%), leite integral (-2,18%) e feijão carioquinha (-1,04%). São comparados os preços de novembro com os praticados em outubro no Recife. A variação no ano foi de 17,57%, de acordo com o Dieese. Foram pesquisados cerca de 100 estabelecimentos locais entre supermercados, hiper, mercadinhos, açougues, padarias, mercados públicos e feiras livres na capital pernambucana.

"Recife está chegando no limite de impor aumento de preços nos alimentos. O desemprego em alta, o fim do auxílio emergencial (pago aos informais pelo governo federal). Tudo isso desenha uma tendência de menor consumo", explica a supervisora do Dieese no Recife, Jackeline Natal. Recife é a quarta cesta básica mais barata do País. As que apresentam valores ainda menores são: Aracaju (R$ 451,32), João Pessoa (R$ 454,85) e Natal (R$ 455,43).

Ainda de acordo com o Dieese, a análise das variações de um mês para o outro deve ser feita com cautela, uma vez que a forma de coleta de preços da cesta foi alterada em cinco capitais. Em novembro último, a instituição voltou a fazer a pesquisa presencialmente em Recife, Distrito Federal, Campo Grande, Goiana e Fortaleza. O levantamento presencial estava suspenso por causa da pandemia do coronavírus. Segundo o Dieese, a pesquisa remota e a presencial tiveram resultados convergentes, permitindo a divulgação dos preços.

NACIONAL

As capitais que registraram as maiores altas foram Brasíla (17,05%), Campo Grande (13,26%) e Vitória (9,72%), comparando novembro com outubro. Todas as capitais tiveram aumento da carne bovina, sendo que o maior foi em Brasília (18,41%) e o menor em João Pessoa (1,64%). A batata inglesa também aumentou em todas as cidades e o arroz agulhinha ficou mais caro em 16 capitais. "Voltamos a ter a mesma pesquisa de antes da pandemia", concluiu Jackeline Natal.

Comentários

Últimas notícias