Mudança

Quem é o pernambucano Joaquim Silva e Luna, indicado para presidir a Petrobras

O militar é conhecido nos bastidores como uma pessoa "moderada", "discreta" e que evita se envolver com questões políticas

JC
JC
Publicado em 20/02/2021 às 21:34
Notícia

MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
GENERAL Silva e Luna era diretor-geral brasileiro da Usina de Itaipu - FOTO: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para substituir Roberto Castello Branco na presidência da Petrobras, o general da reserva Joaquim Silva e Luna, de 71 anos, que é natural de Barreiros, cidade da Zona da Mata pernambucana, é tido como uma pessoa da confiança do chefe do Executivo. De acordo com o jornal O Globo, nos bastidores o militar é conhecido como uma pessoa "moderada", "discreta" e que evita se envolver com questões políticas.

O general, que atualmente é presidente da usina hidrelétrica de Itaipu, foi indicado ao posto em meio às sucessivas declarações do presidente da República de que estaria insatisfeito com a política de preços da estatal. O gesto de Bolsonaro, contudo, foi mal recebido por vários setores, mas o general logo tratou de arrefecer os ânimos dos críticos do presidente, afastando a possibilidade de interferência do governo na estatal.

"Jamais haverá ingerência do presidente. Ontem (sexta-feira, 19), na nossa conversa, ele não falou nada disso", afirmou Luna à Folha de S. Paulo neste sábado (20).

>> Petrobras recebe ofício do Ministério das Minas e Energia solicitando substituição de Castello Branco

>> Lógica do governo com suas ações da Petrobras passa longe do mercado

>> Bolsonaro indica general Joaquim Silva e Luna para assumir presidência da Petrobras

Segundo a publicação, os primeiros contatos entre Bolsonaro e Luna para que ele assumisse a presidência da Petrobras ocorreram durante o Carnaval. "Fui indicado ontem (sexta) pelo presidente, ainda serei referendado pelo conselho de administração. Há um caminho, um processo. Seria precipitado falar de Petrobras. Ainda não posso falar como se já estivesse sentado na cadeira de presidente", declarou.

Apesar da indicação para comandar a Petrobras, Luna não tem experiência ou formação na área. Ele foi ministro da Defesa no governo Temer e teve outros cargos na pasta, como secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto, além de secretário-geral. Ele foi promovido a general de Exército em 2011 e passou 12 anos neste posto na ativa.

Ele entrou na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) em 1969 e, durante a sua carreira, comandou o 6º Batalhão de Engenharia de Construção (1996-1998), em Boa Vista (RR), e a 16ª Brigada de Infantaria de Selva (2002-2004), em Tefé (AM). O militar também serviu como diretor de patrimônio (2004-2006) e chefe do Estado-Maior do Exército (2011-2014).

Luna também participou da Missão Militar Brasileira de Instrução no Paraguai e foi adido em Israel de 1999 a 2001.

Comentários

Últimas notícias