Declaração

Mourão diz que Petrobras já tomou outros tombos no passado e voltou

O vice-presidente da República minimizou as quedas nas ações da estatal

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 23/02/2021 às 15:57
Notícia

ROMERIO CUNHA/VPR
Mourão reiterou que é preciso esclarecer, contudo, que a troca na chefia da empresa não é o mesmo que alterar sua política de preços - FOTO: ROMERIO CUNHA/VPR
Leitura:
O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, minimizou nesta terça-feira, 23, as quedas nas ações da Petrobras ante as declarações do presidente da República, Jair Bolsonaro, e a indicação para a troca de comando da estatal. Mourão lembrou que a empresa já sofreu outros "tombos" no passado e se recuperou. Na segunda-feira, as ações da companhia (ON) caíram 20,48%.
"Olha, nos últimos 26 anos a Petrobras tomou oito tombos. E volta. Easy goes, easy comes (fácil vai, fácil vem). Então, é isso que vai acontecer", declarou Mourão para jornalistas na chegada à Vice-Presidência nesta terça.
Ele reiterou que é preciso esclarecer, contudo, que a troca na chefia da empresa não é o mesmo que alterar sua política de preços. "Basta ficar muito claro que a troca do presidente não significa troca, vamos dizer, na política de preços que é praticada", completou.
Na segunda, o vice-presidente já havia avaliado que a estatal não sairia "prejudicada demais" pelas baixas nas ações após as declarações de Bolsonaro.
Mourão chegou a dizer que o mercado era um "rebanho eletrônico" e defendeu que não houve interferência do governo. Na segunda-feira, ele afirmou que era uma prerrogativa do presidente indicar um novo nome para o comando da Petrobras, já que o mandato do atual chefe da empresa, Roberto Castello Banco, acaba em março.
Nesta terça-feira, o Conselho de Administração da Petrobras deve votar se aprova ou não a indicação do general Joaquim Silva e Luna, escolhido por Bolsonaro para substituir Castello Branco. O mandatário disse na segunda-feira que o atual presidente da companhia tinha "zero compromisso" com o País.
As mudanças na Petrobras e as críticas a sua política de preços feitas por Bolsonaro ocorrem após quatro reajustes de preços neste ano. A categoria de caminhoneiros, uma das bases de apoio do presidente, pressiona o governo por conta da alta no custo do óleo diesel.
Em resposta, além da indicação para a troca na presidência da empresa, Bolsonaro também anunciou a isenção de impostos federais sobre o diesel por dois meses a partir de março.
 

Últimas notícias