RETOMADA

Os R$ 1 mil que fizeram a diferença para Gercilene na pandemia da covid-19

O empréstimo de R$ 1 mil possibilitou a pequena comerciante passar a vender quentinhas. Com o dinheiro, comprou uma geladeira de segunda mão e mercadorias para fazer os almoços

Angela Fernanda Belfort
Angela Fernanda Belfort
Publicado em 01/06/2021 às 16:25
Notícia
Foto: Divulgação/ Prefeitura do Recife/ Daniel Tavares
Gercilene da Silva passou a fornecer quentinhas depois de conseguir um empréstimo de R$ 1 mil - FOTO: Foto: Divulgação/ Prefeitura do Recife/ Daniel Tavares
Leitura:

No meio de uma das maiores crises sanitária e econômica que o País já passou, o microcrédito pode ajudar muita gente a estruturar um novo negócio. É o caso da pequena comerciante Gercilene Silva, de 62 anos, que fazia pizzas pra vender na Campina do Barreto, bairro da Zona Norte do Recife. "Com a pandemia, os pedidos foram caindo. Só pediam à noite ou no domingo. Foi quando o vizinho, me perguntou se eu poderia fornecer almoço pra algumas pessoas da firma dele", comentou ela, que se inscreveu no Crédito Popular do Recife (CredPop) e obteve R$ 1 mil emprestados.

>> Recife abre nova rodada de inscrições para crédito popular de até R$ 3 mil 

"Foi uma ajuda. Comprei uma geladeira de segunda mão, pois não ia conseguir armazenar os produtos das quentinhas somente com a geladeira da minha casa. Com o restante do dinheiro, comprei mercadoria para fazer os almoços", diz Gercilene, que menos de um mês depois de receber o empréstimo já estava vendendo 14 quentinhas na hora do almoço desta terça-feira (1). As quentinhas são vendidas por R$ 10 e R$ 12.

 

E os planos de Gercilene não param por aí. A intenção dela é fazer outro empréstimo depois que quitar o primeiro, que vai ser pago em 12 parcelas. "Depois, pretende expandir, colocar uma tenda. Colocar as mesas e cadeiras que já tenho para atender as pessoas na minha casa", comenta. Ela trabalha com comida há 15 anos. Antes da pandemia, já estava em crise, porque o marido ficou desempregado e ficou mais difícil de ganhar dinheiro aí só conseguia vender uma coxinha ou um pedaço de bolo. Ela também elogiou "as meninas" que trabalham com o CredPop que colocaram os seus contatos com as fotos das comidas que produz numa rede social, coisa que "não sei fazer".

MICROCRÉDITO

Em menos de dois meses de operações, CredPop Recife já liberou R$ 242,7 mil para 145 beneficiários com o valor médio de R$ 1.673 por empréstimo. Entre as 4 mil pessoas inscritas, 56,88% são mulheres. Os bairros com mais pessoas interessadas são Ibura, Iputinga, Cohab/Ibura, Várzea, Boa Viagem, Vasco da Gama, Santo Amaro, Cordeiro, Imbiribeira e Casa Amarela. Os valores a serem emprestados podem ser de até R$ 3 mil.

A maioria dos solicitantes (2.733 pessoas) estão na faixa etária de 30 e 59 anos, seguida por 931 jovens de 18 a 29 anos e 216 idosos. Os bairros que mais solicitaram empréstimos são: Ibura (139), Iputinga (120), Cohab/Ibura de Cima (111), Várzea (111), Boa Viagem (95), Vasco da Gama (91), Santo Amaro (87), Cordeiro (83), Imbiribeira (77) e Casa Amarela (75).

INSCRIÇÕES

O CredPop está com as inscrições abertas a partir desta terça-feira (1). Os interessados devem preencher o formulário disponível no site www.conectarecife.recife.pe.gov.br ou no aplicativo Conecta Recife. É necessário apresentar um documento de identificação do empreendedor, comprovante de endereço do negócio, que ateste ser instalado no Recife. Mulheres, jovens, negros e pessoas com deficiência são prioridades no programa - este último grupo, além dos documentos exigidos, também deve apresentar um laudo médico.

 

 

 

Comentários

Últimas notícias