Comércio

Comércio espera melhor Dia das Crianças dos últimos cinco anos

Comércio aposta no maior fluxo de pessoas para aumentar as vendas este ano

Edilson Vieira
Edilson Vieira
Publicado em 05/10/2021 às 19:06
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Brinquedos devem trazer indicação por faixa etária e instruções em língua portuguesa, mesmo que importados - FOTO: FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Leitura:

O avanço da vacinação contra a pandemia de covid-19 promete um Dia das Crianças com o maior volume de vendas dos últimos cinco anos. Segundo estimativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a terceira data comemorativa mais relevante do calendário do varejo brasileiro (atrás apenas do Dia das Mães e do Natal) deverá apresentar uma movimentação financeira de R$ 7,43 bilhões. Confirmada a expectativa, o valor seria o maior desde 2015, quando foram registrados R$ 7,52 bilhões em vendas.

Eletrônicos e brinquedos devem permanecer como destaque entre os presentes mais procurados, correspondendo a 31% do volume projetado (R$ 2,31 bilhões), seguidos por vestuário e calçados (R$ 2,21 bilhões), cujo crescimento real em relação a igual período do ano passado deve ser o menor entre os segmentos avaliados.

Em 2020, com as restrições severas que buscavam conter o avanço do novo coronavírus, o Dia das Crianças apresentou um volume de vendas de R$ 6,52 bilhões, o menor desde 2009, quando o valor apurado foi de R$ 6,18 bilhões, e que representou um encolhimento de 11,3% no faturamento real em relação ao ano anterior.

CIRCULAÇÃO

Agora, em um cenário completamente diferente, a perspectiva da entidade é que o aumento de 34% na circulação de consumidores desde o fim da segunda onda da crise sanitária, em abril, compense os efeitos da inflação.

Para o presidente da CNC, José Roberto Tadros, o sentimento de segurança gerado pelo aumento no número de vacinados no País foi fundamental para as expectativas positivas. “Nos momentos mais agudos da crise sanitária, o fluxo diário de consumidores chegou a cair 69% em relação ao nível considerado normal. Hoje, o varejo chega a uma data comemorativa tão importante do seu calendário, com a circulação de consumidores próxima à registrada antes da decretação da pandemia”, observa.

PREÇOS

Apesar desse aumento, o economista da entidade responsável pela pesquisa, Fabio Bentes, avalia que o varejo brasileiro poderá encontrar dificuldades com preços. “É muito difícil para o comerciante evitar repasses dos valores de bens e serviços ao consumidor final diante da inflação anualizada acima de 10%, segundo o IPCA-15”, ponderou.

Para os itens típicos da data, a expectativa é de aumento de 7% na média dos preços, o que representaria a maior desde 2016, quando a expansão registrada foi de 8,8%. Dentre os produtos e serviços mais demandados nessa época do ano, tendem a se destacar os reajustes nos preços de bicicletas (+15,9%), doces (+12,3%) e lanches (+10,9%).

Comentários

Últimas notícias