Rádio Jornal

Desafios da educação pós-pandemia é tema de debate

Com mediação do comunicador Wagner Gomes, o assunto será discutido com representante da FGV, do Governo do Estado e com jornalista do JC

JC360
JC360
Publicado em 21/10/2021 às 10:36
BRUNO CAMPOS / JC IMAGEM
O ano de 2022 chegou e com ele a tão desejada implementação do novo ensino médio em todo o país - FOTO: BRUNO CAMPOS / JC IMAGEM
Leitura:

As escolas e as universidades foram duramente atingidas pela pandemia do coronavírus e, assim como praticamente tudo no mundo, precisaram ser fechadas. Um impacto sem precedentes na educação, principalmente a brasileira, que historicamente é marcada pela desigualdade. Quase um ano e sete meses depois do primeiro caso da doença em Pernambuco, e com a retomada presencial das aulas devido à  edução dos indicadores da pandemia, as atenções se voltam para as consequências desse período sem atividade escolar, ou com elas sendo realizadas de forma remota, muitas vezes sem estrutura. É nesse cenário que a Rádio Jornal realiza um debate sobre Educação Pós-pandemia, na sexta-feira (22), às 11h, dentro da Super Manhã.

Com mediação do comunicador Wagner Gomes, o assunto será discutido com a coordenadora de projetos do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Ariana Britto, com o assessor pedagógico da Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação de Pernambuco, Durval Paulo, e com a jornalista e titular da coluna Enem e Educação do Jornal do Commercio, Margarida Azevedo.

“É super pertinente levantar esse debate nesse momento em que os indicadores estão diminuindo. A educação, justamente por ser uma das áreas mais afetadas, precisa de reflexões. É aprender com o que aconteceu no ano passado em 2020, e olhar para frente”, comenta Margarida Azevedo.

O debate na Super Manhã marca o início de uma série de discussões sobre o tema que está sendo proposta pelos veículos de comunicação do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação. O especial “Educação Pós pandemia, Desafios e Soluções”, uma produção da TV Jornal, Rádio Jornal e Jornal do Commercio, nasce de um esforço em conjunto para trazer luz às medidas que precisam ser adotadas para minimizar os prejuízos incalculáveis causados pelo coronavírus na formação de crianças, adolescentes e adultos.

BRUNO CAMPOS / JC IMAGEM
REMOTO Pesquisa da FGV mostrou que os alunos mais vulneráveis tiveram menos acesso ao ensino à distância - BRUNO CAMPOS / JC IMAGEM

“Acreditamos que, uma vez constatados perdas e ganhos - por que não? - do processo de pandemia e isolamento, é hora de pensar como será de agora em diante. Há experiências exitosas mas, sem dúvida, ainda há muitos desafios a serem superados por professores, alunos e governos. Ouvimos muitos especialistas e eles são unânimes em dizer que a sala de aula mudou, o jeito de ensinar precisa passar por uma revisão profunda e pós-pandemia este modelo que está posto já não dá conta das necessidades de aprendizado. Como e que ferramentas serão necessárias para esta transformação é o que pretendemos discutir nesta série”, comenta Mônica Carvalho, diretora de jornalismo da TV e Rádio Jornal.

Dividida em quatro reportagens, o especial vai abordar, entre outros assuntos, o uso da tecnologia; o processo de adaptação ao ensino remoto e as dificuldades de grande parte dos estudantes; a reinvenção do magistério e o esforço dos professores em levar o conteúdo para todos os alunos; e as lacunas da aprendizagem.

O especial será veiculado entre os dias 26 e 29 de outubro. Na TV Jornal, os telespectadores vão assistir a série de reportagem dentro do telejornal Meio-Dia, que começa às 11h20. Na Rádio Jornal, os ouvintes vão acompanhar dentro do Rádio Livre, a partir das 14h. E no Jornal do Commercio, a partir das primeiras horas do dia. O assunto também será discutido em um podcast e em um programa especial na TV.

“O resultado é um material vasto, profundo, com histórias marcantes e muita análise. Como veículos de comunicação à serviço da sociedade, este é o nosso papel: discutir e apontar caminhos para resolver os problemas que afetam esta sociedade”, conclui Mônica Carvalho.

Comentários

Últimas notícias