VIAGEM OFICIAL

Com desemprego, inflação e juros em alta, Guedes se diz otimista e pede: "Não apostem contra"

"Nós achamos que o crescimento da economia brasileira já está contratado", disse o ministro da Economia durante evento em Dubai

Agência Brasil Emannuel Bento
Agência Brasil
Emannuel Bento
Publicado em 14/11/2021 às 16:41
WILSON DIAS/AGÊNCIA BRASIL
O ministro da economia, Paulo Guedes - FOTO: WILSON DIAS/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a mostrar positividade em relação à economia do país durante a abertura da feira de aviação Dubai Airshow, no Emirado dos Árabes. "Não apostem contra a economia brasileira", pediu. Com o desemprego do país beirando os 14%, ele admitiu que a perspectiva é que a taxa básica de juros cresça para conter a inflação, que deve fechar o ano com dois dígitos.

"Nós estamos muito otimistas. Nós achamos que o crescimento da economia brasileira já está contratado. Os juros vão subir um pouco para combater a inflação, mas o crescimento está contratado", disse, em conversa com a imprensa. A participação na feira faz parte da viagem oficial da comitiva brasileira, incluindo o presidente Jair Bolsonaro, pelo Oriente Médio, incluindo ainda passagens por Abu Dhabi, Bahrein e Catar.

Durante o evento, o ministro disse que o Brasil está em busca do que chamou de "petrodólares" e afirmou que o Brasil já tem R$ 700 bilhões de investimentos contratados para os próximos anos. "São R$ 700 bilhões já comprometidos, fora o trabalho que vamos continuar fazendo."

Guedes lembrou a política adotada nos anos 80 no país e destacou que, à época, os recursos foram obtidos por meio de endividamento. "Nós fizemos um grande movimento no final da década de 80, depois do choque do petróleo, para pegar essa reciclagem de recursos. Só que, naquela época, foi com endividamento. [...] Agora nós vamos fazer com participação nos programas de investimento nossos, nas nossas parcerias de investimentos", afirmou o ministro.

O ministro evitou estimar um possível valor a ser arrecadado na visita aos Emirados Árabes. “Um número é difícil. O importante é assegurar a participação deles. Tivemos boas notícias: vão estar presentes agora, nos leilões de petróleo e de gás natural que nós vamos fazer", concluiu.

Comentários

Últimas notícias