Atividade produtiva

Empresas lançam ‘Glossário da Longevidade’ para combater preconceito com idade no mercado de trabalho

E-book com mais de 100 verbetes funciona como um guia para o mercado, a mídia, a sociedade e os profissionais em geral entenderem o envelhecimento no mercado de trabalho

Adriana Guarda
Cadastrado por
Adriana Guarda
Publicado em 27/05/2022 às 16:13 | Atualizado em 27/05/2022 às 16:16
Reprodução
Capa do Glossário da Longevidade, que se propõe a ser um guia para o mercado, as mídias e profissionais em geral - FOTO: Reprodução
Leitura:

Em menos de 20 anos, metade da força de trabalho no Brasil terá mais de 50 anos. Apesar desta mudança, que deverá acontecer até 2040, muitas empresas ainda evitam contratar profissionais 50+ e existe um preconceito etário no mercado. Atentas ao envelhecimento de profissionais no País à necessidade de chamar a atenção para o tema, a TIM, o HubMulher e Deloitte se uniram para criar o "Glossário da Longevidade: um guia para o mercado, a mídia, sociedade e profissionais em geral".

O e-book com mais de 100 verbetes tem proposta de combater o chamado etarismo, que é o preconceito e/ou discriminção com base na idade; e a velhofobia, que é o preconceito e/ou discriminação contra pessoas idosas no mercado de trabalho. Muitas expressões são termos em inglês, mas vale a pena conhecer para se alinhar às mudanças no mercado e evitar cometer gafes. 

O glossário tem 103 verbetes e já está disponível para download gratuito no blog Cinza Poderoso (https://cinzapoderoso.blog/). Basta fazer um rápido cadastro e o e-book é disponibilizado por e-mail. O guia foi lançado remotamente durante uma live no canal da TIM no Youtube na terça-feira (17). Aberto ao público, o evento discutiu boas práticas de inclusão de gerações no mercado de trabalho, apresentando cases de sucesso e desafios enfrentados por profissionais sêniores.

Construir uma mudança de cultura

Uma das autoras do glossário, professora do curso de longevidade da Fundação Getúlio Vargas e cofundadora do HubMulher, Patricia Galante de Sá, um dos objetivos da publicação é combater por meio do conhecimento os pensamentos inconscientes que existem sobre o envelhecimento. A ideia é contribuir para diminuir preconceitos e estigmas e colaborar para o melhor entendimento de termos que são recorrentes entre a população idosa e especialistas, mas que podem não ser usuais no dia-a-dia de líderes, profissionais de comunicação e estudantes no País.

“O glossário tem uma missão que começa e não acaba. Ele será sempre atualizado, recebendo constantemente novos significados que ampliem o conhecimento sobre o tema. É imensa a luta para tornar o mundo, os países, as cidades, as empresas, as famílias e cada um de nós, mais inclusivos às pessoas que viveram mais, experimentaram mais, ensinaram mais, amadureceram mais e que, garanto, querem um mundo muito melhor. Quando a gente entende, a gente compreende, quando a gente compreende nasce a empatia", explica Patricia, que escreveu o glossário junto com Simone B. Lara, editora do blog Cinza Poderoso e também professora do curso de longevidade da FGV.

A TIM e a Delloite foram convidadas pelo HubMulher a se juntarem à iniciativa por conta das iniciativas que desenvolvem sobre gerações. Integrante do Fórum Gerações e Futuro do Trabalho, que reúne companhias comprometidas com a inclusão geracional, a operadora lançou recentemente o programa de contratação TIM 50+, que disponibilizou vagas para pessoas com 50 anos ou mais em suas lojas em cinco Estados. O projeto foi construído a partir de reflexões do grupo de afinidade Gerações+, formado por quase 100 da TIM que sugerem e avaliam ações focadas em recrutamento e seleção, comunicação e educação para inclusão das diferentes gerações.

A companhia mantém, ainda, um programa de indicação interna, em que profissionais da própria TIM podem indicar pessoas de 45 anos ou mais para vagas na empresa. No âmbito externo, além de campanhas periódicas de conscientização, é destaque o Teclado Consciente TIM, aplicativo que alerta sobre o uso de expressões discriminatórias – incluindo termos etaristas e velhofóbicos, como maracujá de gaveta”, “caduco”, “ficar para titia”, “meninada” e “não enxerga a idade que tem”.

Disponível gratuitamente para clientes de qualquer operadora com smartphones iOS e Android, a ferramenta fica visível quando o usuário digita textos em redes sociais ou aplicativos de comunicação, destacando as expressões inadequadas, explicação da origem e opções para substituição.

“Nós reconhecemos a importância e o valor de profissionais seniores, por isso, queremos estimular mais empresas a se conectarem ao pilar geracional. O lançamento do glossário joga luz sobre o tema, que é urgente. Estima-se que 57% da força de trabalho do Brasil terá mais de 45 anos até 2040. Precisamos promover um mercado de trabalho mais inclusivo para a população 50+”, explica Giacomo Strazza, Head de Desenvolvimento, Educação e Inclusão no RH da TIM.

Economia prateada

Quase 55 milhões de brasileiros têm mais de 50 anos, número que corresponde a 25% da população atual do Brasil, segundo dados oficiais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística). A pandemia da covid-19 esfriou um pouco o crescimento, mas somente em 2020 foram gerados pela Economia Prateada (uma referência aos cabelos grisalhos da população mais velha) cerca de R$ 1,8 trilhão, de acordo com levantamento realizado pelo Instituto Locomotiva, especializado em pesquisas.

CONHEÇA ALGUNS VERBETES DO GLOSSÁRIO: 

1. AGE SHAMING - É fazer outra pessoa ter vergonha de ser idosa, criticando sua vestimenta, comportamento ou aparência.

2. AGELESS - Sem idade em inglês. É um novo termo que vem sendo utilizado para definir as pessoas
com 50 anos ou mais, que não se definem pela idade. 

3. COUGAR - Termo pejorativo (“puma” em português) para referir-se a mulheres mais velhas que gostam de se relacionar sexual ou amorosamente com homens mais jovens, como se fossem predadoras. Está impregnada de etarismo, pois não existe um nome equivalente para o oposto, já que a sociedade normalizou relacionamentos de homens com mulheres mais jovens. 

4. GERAÇÃO SANDUÍCHE - Reflete uma nova geração de pessoas que precisam cuidar simultaneamente de filhos pequenos e pais idosos. Tem impacto direto na produtividade dos funcionários nas empresas,
que em casos extremos precisam abandonar seus empregos para assumir o cuidado integral de um parente mais velho?

5. PERENNIAL - Termo cunhado pela blogueira de inovação Gina Pell, editora do portal The Who e citado pela primeira vez em uma matéria da revista Fast Company, no final de 2016. O termo foi retirado das perennials (plantas perenes, do inglês, uma espécie botânica caracterizada pela longevidade e capacidade de renovação) e foi migrado para o mundo da publicidade e da comunicação como forma de
contra-atacar a supervalorização da geração millennial. Significa uma pessoa “perene” ou atemporal, cujo estilo de vida contém gostos, hábitos, relações sociais e comportamentos de diversas faixas etárias.

Comentários

Últimas notícias