PIONEIROS

Jogadores de futebol transgênero abrem caminho na Argentina

Argentina foi pioneira na América Latina em aprovar uma lei de identidade de gênero, em 2012

AFP
Cadastrado por
AFP
Publicado em 24/04/2020 às 15:22
JUAN MABROMATA
Integração de jogadores transgênero nos clubes argentinos - FOTO: JUAN MABROMATA
Leitura:

Dentro de campo se sentem completos. Ao fim de um árduo caminho, Mara e Marcos somam à energia e à alegria que lhes dá o futebol a satisfação de saberem que são pioneiros na integração de jogadores transgênero nos clubes argentinos. Alta, magra, com o cabelo longo preso em um rabo de cabalo, Mara Gómez joga na equipe Villa San Carlos de La Plata, sediado 60 km ao sul de Buenos Aires. Aos 23 anos, ela aspira se tornar a primeira jogadora trans contratada na incipiente liga profissional feminina de futebol na Argentina. "Eu sofria muito com a descriminação, a exclusão, o maltrato verbal que tinha na rua e na escola. Eu me apeguei ao futebol como terapia", relatou Mara à AFP.

Mara começou a jogar aos 15 anos, incentivada pelas vizinhas. "Havia momentos em que eram organizados torneios no bairro e equipes rivais se enfrentavam. Então minhas colegas me apoiavam e diziam que se eu não jogasse, elas também não jogariam", lembrou a atleta, que atua como centroavante.

Na liga feminina de La Plata, Mara se destacou como a artilheira das últimas duas temporadas. O fato chamou a atenção do Villa San Carlos, último colocado do futebol profissional feminino. "É rápida e tem ótima finalização. Ao contrário do que as pessoas pensam, ela não é tão forte. Tenho várias meninas que são muito mais fortes e, mesmo sendo rápida, tenho meninas que são mais rápidas. É inteligente, aprende rápido. E ela faz gol, que é o que nos falta", descreveu o técnico do clube, Juan Cruz Vitale.

LEI

O clube aguarda a retomada das atividades, suspensas devido à pandemia do coronavírus, para apresentar um pedido de contratação de Mara à Federação de futebol da Argentina (AFA). "Há uma lei de identidade de gênero que não podem ignorar. Estamos convencidos de que ela vai poder estar com a gente", afirmou o técnico.

A Argentina foi pioneira na América Latina em aprovar uma lei de identidade de gênero, em 2012, graças à qual Mara pôde corrigir os dados em sua identidade quando fez 18 anos. "Me sinto muito feliz de saber que, como sociedade, estamos fazendo um pouco mais, estamos abrindo mentes", declarou a atleta diante da perspectiva de se tornar profissional em um dos países que mais revela jogadores de futebol no mundo e de onde saíram ídolos históricos como Diego Maradona e Lionel Messi.

Comentários

Últimas notícias