Espanha

Atlético de Madrid tem 11 rodadas para entrar na zona da Liga dos Campeões

Os colchoneros estavam na sexta posição no Campeonato Espanhol quando houve a paralisação por conta da pandemia do novo coronavírus

AFP
AFP
Publicado em 26/05/2020 às 12:02
Notícia
Atlético de Madrid/AFP
O atacante brasileiro naturalizado espanhol Diego Costa treina no CT Majadahonda - FOTO: Atlético de Madrid/AFP
Leitura:

 

MADRIi, Espanha - A pandemia do coronavírus paralisou o futebol e deixou o Atlético de Madrid congelado fora dos quatro primeiros lugares do Campeonato Espanhol, mas a volta da competição dá à equipe colchonera onze jogos para alcançar o objetivo de garantir uma vaga na próxima Liga dos Campeões.

O Atlético estava na sexta posição, a um ponto da Real Sociedad (4ª, 46 pontos) e a treze do líder Barcelona (58 pontos), quando LaLiga, que gere o Campeonato Espanhol, suspendeu a competição em meados de março.

De olho no fim de semana de 12 de julho, data da provável volta do campeonato, o Atlético, primeira equipe a voltar aos treinos assim que o governo espanhol autorizou, se prepara para enfrentar as onze últimas rodadas como 'finais' e garantir uma vaga na Champions.

"O grande objetivo traçado no início de temporada no Atlético é entrar todos os anos na Liga dos Campeões. Ficar entre os quatro primeiros significa receber um importante valor financeiro", lembrou há alguns dias o diário esportivo "AS".

E num contexto de crise econômica causada pela pandemia, garantir a receita da Champions na próxima temporada pode ser vital para os planos dos colchoneros.

Top 4


Se, como previsto, o campeonato nacional e as competições europeias voltarem sem torcida nos estádios, os clubes espanhóis deixarão de arrecadar 300 milhões de euros em bilheteria, de acordo com La Liga.

Com seus jogos na Champions, o Atlético "nesta temporada arrecadou 77 milhões de euros", lembrou o "AS".

"Nosso objetivo sempre é ganhar cada jogo e tentar conseguir estar entre os quatro primeiros, porque este é o objetivo do clube para receber esta receita" da Champions, declarou recentemente o meia do Atlético Saúl Ñíguez.

A receita oriunda da Champions é um dos principais vetores do orçamento do Atlético, que na temporada 2018/2019 arrecadou 106,9 milhões de euros com participação em competições europeias, dos quais 88,7 milhões de euros vieram da Liga dos Campeões.

Para a imprensa espanhola, a presença na Champions, que deve terminar sua temporada em agosto, é vital para o Atlético para que não precise vender jogadores ou diminuir salários.

O Atlético chegou à suspensão do futebol já classificado para as quartas de final da Champions e com o objetivo de alcançar a final da competição pela terceira vez em sua história, após perder as duas vezes anteriores para o arquirrival Real Madrid em 2014 e 2016.

Que volte o futebol


Com o Campeonato Espanhol e a Champions em mente, o Atlético passou nesta terça-feira (26) a treinar em grupos de 14 jogadores, o novo passo antes de iniciar treinos com todo o elenco, o que LaLiga acredita que poderá ser feito a partir da próxima segunda-feira (1º).

Após o que aconteceu com a pandemia do coronavírus, "acredito que é o que precisamos, que o futebol comece e, graças a Deus, falta muito pouco para isto", afirmou na segunda-feira o atacante argentino do Atlético de Madrid Ángel Correa.

A equipe segue treinando sob o comando do técnico Diego Simeone, que na próxima temporada poderá ter um novo assistente.

De acordo com a "Radio Marca", Germán 'Mono' Burgos, fiel escudeiro de Simeone, estaria pronto para dar início à carreira de técnico em outro clube e daria a vaga de assistente no Atlético para Gabi, ex-jogador do clube

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias