futebol

Campeões das Copas de 1958 e 1962 se tornam embaixadores da Seleção Brasileira

Dino Sani, Moacir, Mazzola, Pepe, Pelé e Zagallo são os remanescentes da conquista na Suécia. No grupo do bi, além de Pepe, Pelé e Zagallo, Jurandir, Mengálvio, Jair da Costa e Amarildo serão os agraciados

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 29/06/2020 às 19:39
Notícia
@Pelé/Instragram
Tricampeão do Mundo, Pelé é um dos embaixadores da Seleção Brasileira - FOTO: @Pelé/Instragram
Leitura:

A CBF comunicou nesta segunda-feira que os jogadores que fizeram parte dos elencos que venceram as edições de 1958 e de 1962 da Copa do Mundo passam a ser, oficialmente, "Embaixadores da Seleção Brasileira". Ação semelhante havia sido realizada há pouco mais de uma semana com os campeões mundiais de 1970.

De acordo com a CBF, esses ex-jogadores vão receber, em suas residências, uma réplica em miniatura da Taça Jules Rimet e um título que dá a opção de assinarem um contrato, com remuneração fixa e mensal, para representarem a CBF em eventos sociais, educacionais, institucionais ou em visitações ao Museu Seleção Brasileira.

Presente de aniversário

Essa nova homenagem foi anunciada no dia em que se celebra o aniversário de 62 anos da conquista da equipe nacional em 1958. Dino Sani, Moacir, Mazzola, Pepe, Pelé e Zagallo são os remanescentes da conquista na Suécia. No grupo do bicampeonato, além de Pepe, Pelé e Zagallo, Jurandir, Mengálvio, Jair da Costa e Amarildo serão os agraciados com a honraria. O Rei do Futebol e Zagallo já haviam recebido o título pela presença na seleção tricampeã mundial.

"O tricampeonato conquistado em 70 é uma jornada brilhante, da qual fazem parte três times de heróis: as seleções de 58, 62 e 70. Por isso, as iniciativas e homenagens da CBF, na comemoração dos 50 anos da conquista no México, se estendem também aos craques de 58 e 62. Queremos os ídolos cada vez mais próximos da CBF. A experiência deles é uma contribuição muito importante para a nossa missão de promover o desenvolvimento contínuo do futebol brasileiro", afirma Rogério Caboclo, presidente da CBF.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias