Biometria volta à pauta

ORGANIZADAS Nova onda de violência das organizadas, mesmo extintas, provoca discussão das autoridades no sentido de coibir ação das facções

Luana Ponsoni
Luana Ponsoni
Publicado em 26/08/2020 às 6:00
ALEXANDRE GONDIM
BATALHA Antes da pandemia, mesmo já extintas, a Torcida Jovem e a Inferno Coral provocaram muita baderna antes do clássico pela Copa do Nordeste - FOTO: ALEXANDRE GONDIM
Leitura:

Basta nova série de violência das torcidas organizadas no Recife acontecer para voltar à tona a implantação da biometria de torcedores nos principais estádios de Pernambuco. Se no passado os clubes ficaram no "jogo de empurra" com a Federação Pernambucana de Futebol (FPF), muito em breve alguém poderá ter de pagar a conta. A medida foi uma das ações discutidas na reunião entre autoridades, na tarde de ontem, sobre o novo plano de contenção às facções. A diferença é que a biometria nas praças esportivas pode virar lei estadual.

A ideia foi sugerida durante conversa entre o juiz do Juizado Especial do Torcedor (Jetepe), Flávio Pontes, o delegado Paulo Moraes, da Delegacia de Repressão à Intolerância Esportiva, o major André Leite e o tenente coronel Tibério Noronha. Eles se encontraram após os dois últimos episódios de violência envolvendo possíveis membros da Fanáutico e Jovem do Sport, extintas desde fevereiro pela Justiça, assim como a Inferno Coral, do Santa Cruz.

Forçar a biometria nos estádios por meio de uma lei estadual preconiza o que já está no Estatuto do Torcedor. A mesma lei já foi sancionada em Goiás, onde equipamentos esportivos com capacidade acima de 10 mil pessoas precisam contar com o dispositivo de segurança. Esse quantitativo de público é superado pela Arena de Pernambuco (46 mil), Ilha do Retiro (35 mil), Aflitos (18 mil) e Arruda (60 mil).

"Talvez seguir esse modelo de biometria de Goiás, criando também essa lei da biometria. Talvez o de reconhecimento facial, que é mais avançado. Aqui, no passado, não foi colocado para frente por causa do alto custo", comentou o juiz Flávio Pontes.

A biometria teria por finalidade criar um banco de dados de pessoas com histórico de violência e cruzá-lo com as informações das autoridades de segurança. A prevenção, por sinal, foi um dos pontos mais abordados na reunião de ontem a tarde. O aumento do monitoramento das redes sociais das facções esteve na pauta, já que esse é o canal por onde os confrontos são marcados. Reforço de policiais civis envolvidos nas investigações também pode acontecer.

"Queremos o aperfeiçoamento desse monitoramento com trabalho de prevenção e investigar se as pessoas que estavam indo aos estádios (antes dos jogos de portões fechados, pela pandemia) são integrantes das torcidas extintas (Torcida Jovem, Fanáutico e Inferno Coral). Também falamos em atacar o comércio deles e dar mais ênfase às ações contra os cabeças, para enfraquecê-los. Claro que há muitas outras coisas que precisam ser feitas e que serão discutidas em reunião com o promotor do Jetepe (José Bispo) na próxima semana", conclui o juiz Flávio Pontes.

PRISÃO

A Polícia Militar afirmou em nota oficial que predeu cinco homens que estavam no confronto entre torcidas organizadas Jovem do Sport e Fanáutico na tarde da última segunda-feira, na avenida Conde da Boa Vista. Esta foi a segunda ação em menos de uma semana de uniformizadas no Recife. A confusão deve ter sido uma resposta à invasão de membros da Jovem do Sport na sede do clube alvirrubro na noite do sábado. A PM também apreendeu oito rojões, barrotes de madeira, um de ferro e mais dois barrotes de alumínio, objetivos utilizados para causar tumulto e pancadaria na cidade.

A nota da polícia relata que equipes do 16º BPM foram acionadas para uma ocorrência de tumulto e agressões envolvendo torcedores da Fanáutico e da Torcida Jovem, às 12h. "Ao chegar no local, o policiamento se deparou com a situação em andamento, conteve o tumulto e deteve cinco homens que foram conduzidos à CEPLANC. Foram apreendidos oito rojões, barrotes de madeira, um de ferro e mais dois barrotes de alumínio. Além de duas chaves de fenda, um celular e um veículo", diz trecho da nota.

Comentários

Últimas notícias