Esportes

Na busca pelo bi olímpico, Brasil reencontra Alemanha em Yokohama

Curiosamente, o último jogo da equipe masculina em uma Olimpíada foi exatamente contra os alemães, também de ótima recordação para o lado verde e amarelo da história

Agência Brasil
Agência Brasil
Publicado em 22/07/2021 às 6:27
Notícia
Lucas Figueiredo/CBF
Na busca pelo bi olímpico, Brasil reencontra Alemanha em Yokohama - FOTO: Lucas Figueiredo/CBF
Leitura:

Yokohama, 30 de junho de 2002. Final da Copa do Mundo. Brasil e Alemanha. Ronaldo supera Oliver Kahn duas vezes. A primeira após uma falha clamorosa do goleiro (eleito o melhor jogador da competição) ao tentar encaixar um chute de Rivaldo e soltar a bola nos pés do Fenômeno. O dito "país do futebol" tornava-se, ali, pentacampeão mundial.

Yokohama, 22 de junho de 2021. Outra vez Brasil e Alemanha. Cenário diferente de quase duas décadas atrás, é verdade. Ainda assim não poderia ter um local mais simbólico no Japão para a seleção masculina iniciar a trajetória na Olimpíada de Tóquio, em busca do que pode ser uma segunda medalha de ouro na modalidade. A bola rola a partir das 8h30 (horário de Brasília).

Curiosamente, o último jogo da equipe masculina em uma Olimpíada foi exatamente contra os alemães, também de ótima recordação para o lado verde e amarelo da história. Há quase cinco anos, em 20 de agosto de 2016, mais de 63 mil torcedores, que pintaram o Maracanã com as cores brasileiras, foram abaixo quando Neymar acertou o ângulo esquerdo da meta defendida por Timo Horn e decretou a vitória nos pênaltis, por 5 a 4 (após empate por 1 a 1 no tempo normal e sem gols na prorrogação), que deu ao Brasil o então inédito ouro olímpico no futebol.

Os personagens desta quinta-feira (22) são completamente diferentes daqueles do Maracanã, apesar de uma semelhança: é do lado brasileiro que estão os jogadores mais rodados. Dos 22 atletas que integram a seleção comandada por André Jardine, cinco já defenderam a equipe principal, contra quatro do escrete germânico. Só Daniel Alves, de 38 anos, duas Copas do Mundo disputadas e 118 atuações pela amarelinha, supera o total de jogos somados do quarteto alemão.

Curiosamente, o lateral é o único dos três jogadores acima dos 24 anos convocados por Jardine a ter experiência pela seleção principal. Os demais (o goleiro Santos e o zagueiro Diego Carlos) ainda buscam a primeira chance, que pode ser impulsionada pela Olimpíada, como aconteceu há cinco anos com Weverton.

Além de Daniel Alves, já defenderam a equipe principal os volantes Bruno Guimarães, Matheus Henrique e Douglas Luiz, além do atacante Richarlison. Os dois últimos, inclusive, estiveram no vice-campeonato da Copa América deste ano. Já o lateral Gabriel Menino, embora não tenha atuado, foi convocado por Tite em setembro do ano passado para os primeiros jogos do Brasil nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, que será no Catar.

O Brasil deve atuar com Santos; Daniel Alves, Diego Carlos, Nino e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães e Claudinho; Richarlison, Matheus Cunha e Antony.

No lado alemão, os três jogadores acima do limite de idade passaram pela seleção principal, mas sem brilho. O atacante Max Kruse, de 33 anos, é quem mais recebeu oportunidades (14). O meia-atacante Nadiem Amiri, de 24 anos (que faz 25 em outubro), atuou cinco vezes. O meia Maximilian Arnold fez um único jogo, só que em maio de 2014. Dos mais jovens, o único a receber oportunidade foi o lateral Benjamin Henrichs, de 24 anos.

Outro detalhe é que apenas Arnold (Wolfsburg) e Henrichs (RB Leipzig), entre os 18 convocados pelo técnico Stefan Kuntz, defendem clubes que se classificaram à edição 2021/2022 da Liga dos Campeões, ou seja, que ficaram entre os quatro primeiros colocados da última temporada do Campeonato Alemão. Em recente entrevista coletiva, o treinador reclamou que as equipes locais não deram apoio à montagem da seleção, e que alguns atletas não se interessaram pela Olimpíada.

Não a toa, somente dois presentes na lista de Kuntz para Tóquio (Henrichs e Amiri) foram titulares na decisão da Eurocopa sub-21 de 2019, que classificou os alemães para os Jogos. Além deles, o atacante Marco Richter entrou em campo na derrota por 2 a 1 para a Espanha. O goleiro Florian Müller, o zagueiro Felix Uduokhai e os meias Arne Maier e Eduard Löwen não saíram do banco.

Últimas notícias