OLIMPÍADA

Darlan obtém vaga na final do arremesso do peso e tenta pódio na quinta-feira

Brasileiro obteve marcar de 21,31 metros. O brasileiro só ficou atrás do norte-americano Ryan Crouser (22,05m), detentor dos recordes mundial e olímpico, e do neozelandês Tomas Walsh (21,49m.)

Marcos Leandro
Marcos Leandro
Publicado em 03/08/2021 às 13:02
Notícia
Luis Acosta/AFP
Darlan Romani está na final da prova do arremesso de peso na Olimpíada - FOTO: Luis Acosta/AFP
Leitura:

ESTADÃO CONTEÚDO

Darlan Romani garantiu vaga na final do arremesso do peso dos Jogos Olímpicos de Tóquio, nesta terça-feira (3), ao obter a marcar de 21,31 metros. O brasileiro só ficou atrás do norte-americano Ryan Crouser (22,05m), detentor dos recordes mundial e olímpico, e do neozelandês Tomas Walsh (21,49m.)

Veja lista atualizada dos brasileiros que ganharam medalha nas Olimpíadas de Tóquio 2020

Horários Olimpíadas 2020: veja as partidas e disputas desta terça (3/8)

"Emocionante ver a bandeira do Brasil subindo (ao ver a cerimônia de entrega do bronze de Alison dos Santos). Isso nos dá mais forças para continuarmos lutando. Minha esposa em especial, sei que é aniversário dela em casa, ela deve estar se acabando de chorar, ela sabe tudo que passamos esse ano... É difícil falar. Foi um susto para nós, meu irmão, mãe e eu ficamos com covid. Mas é isso, a gente ergue a cabeça, batalha e corre atrás. Hoje é mais um passo que demos para uma final olímpica. Estou dando meus 200% lá dentro", disse o atleta ao SporTV, após a sua participação.

ANÁLISE

Darlan admitiu que não teve um bom desempenho na primeira tentativa. "No primeiro arremesso vacilei um pouco (21 metros), poderia ter passado já, veio no segundo, mas é isso, vamos continuar focados. Torçam, mandam energias positiva, porque vamos atrás desse sonho", afirmou o catarinense, de Concórdia. Ele tem 30 anos, mede 1,88 metro e pesa 157 quilos.

Ouro nos Jogos Pan-americanos de Lima-2019, ouro nos Jogos Sul-americanos de Cochabamba-2018, prata nos Jogos Sul-Americanos de Santiago-2014, Darlan, que treina no clube Pinheiros, em São Paulo, obteve a marca de 22,61 metros, em 2019, nos Estados Unidos, que o torna recordista sul-americano e 11° melhor atleta no ranking mundial de todos os tempos da prova.

110 M COM BARREIRAS

Os brasileiros Rafael Pereira e Gabriel Constantino garantiram vaga, nesta terça-feira, para a disputa da semifinal dos 110 metros com barreiras nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Eduardo Rodrigues não teve a mesma sorte e acabou eliminado.

Terceiro colocado na quarta bateria, com o tempo de 13s46, Rafael explicou sua tática na prova. "Resolvi fazer prova agressiva e não técnica. Me comporto bem nas duas alternativas. Eu precisava de uma prova agressiva porque tinha atletas com tempos mais fortes e uma temporada mais forte do que a minha. Gostei do tempo, não é ruim, mas para a semifinal preciso acertar alguns detalhes técnicos, pois tem que ser uma corrida agressiva e técnica. É acertar esses erros e correr bem."

Gabriel Constantino foi o quinto na primeira bateria, com 13s55. O atleta não escondeu a emoção. "Estou feliz. Hoje minha vitória foi ter entrado na pista e realizado a prova. Uma semana atrás eu tive um estiramento e todo departamento médico se mobilizou para que eu voltasse à pista, e eu voltei. Foi emocionante porque até ontem eu estava ‘entro ou não entro?’, aí me falaram que essa oportunidade é de quatro em quatro anos e você deve entrar mesmo que para participar, vá ser feliz. E estou feliz hoje. Entrei no estádio e abri um sorriso mesmo estando vazio. Em 2016 fiquei fora por três centésimos e hoje estou aqui como titular competindo."

O norte-americano Grant Holloway foi o mais rápido do dia, com 13s02, enquanto o jamaicano Ronald Levy vem na sequência com 13s17. Os quatro primeiros de cada uma das cinco baterias se classificaram direto para as semifinais, além dos outros quatro melhores.

Comentários

Últimas notícias