Internacional

Retomada do transporte público aumenta temor por agravamento da pandemia na Bolívia

O governo decretou a quarentena em março com a suspensão do trabalho público e privado, exceto os emergenciais, e fechou as fronteiras

AFP
AFP
Publicado em 25/05/2020 às 20:56
Notícia
WELINGTON LIMA / JC IMAGEM
Em assembleia, rodoviários da Metropolitana decidiram não rodar na manhã desta quinta-feira no Recife. - FOTO: WELINGTON LIMA / JC IMAGEM
Leitura:

Autoridades de algumas cidades bolivianas começaram nesta segunda-feira (25) a ordenar a retomada do transporte público. Sindicatos dos setores de saúde temem que o relaxamento aumente as infecções por coronavírus e iniciaram uma greve de fome em protesto. As cidades de El Alto (vizinha La Paz), Cochabamba (centro) e Potosí (sudoeste) retomaram os serviços de transporte coletivo, embora com limitações, em meio à emergência sanitária em vigor desde 17 de março.

>> Brasil soma 23,4 mil mortes por coronavírus; casos ultrapassaram a marca de 378 mil

>> No terceiro dia de queda nos números, Pernambuco confirma 607 novos casos de coronavírus e 48 mortes

Os ônibus podem operar com 40% a 50% de sua capacidade ou em turnos durante a semana. La Paz, sede dos poderes Executivo e Legislativo, se prepara para o retorno do serviço na segunda-feira, 1º de junho.

O governo decretou a quarentena em março com a suspensão do trabalho público e privado, exceto os emergenciais, e fechou as fronteiras, medidas que devem ser levantadas, segundo estimativas iniciais, em 31 de maio.

O governo da presidente interina Jeanine Áñez enfrenta forte pressão de sindicatos de camponeses, indígenas, motoristas e comerciantes para a flexibilização das restrições. Alguns setores pedem a renúncia da presidente.

No município de El Alto, os micro-ônibus de passageiros circulavam em plena capacidade, apesar do compromisso de operar com a metade. "Alguns veículos chegaram com seus 14 passageiros", disse Fernando Flores, secretário de transporte municipal.

A normalização das atividades preocupa profissionais da saúde, que temem uma explosão no número de contágios.

Eles denunciam a falta de condições para enfrentar a epidemia devido a mecanismos insuficientes de biossegurança.

"A quarentena é flexibilizada e não estamos prontos para lidar com o aumento iminente de casos de "#COVID-19 em #LaPaz", disse o Sindicato dos Trabalhadores do Sistema de Saúde no Twitter.

Enquanto a Bolívia caminha para a normalização, em meio a temores, o Congresso se prepara para formar uma comissão para investigar a compra de 170 respiradores espanhóis superfaturados.

Por esse motivo, o Ministro da Saúde foi demitido e preso preventivamente pelo período das investigações.

O coronavírus infectou mais de 6.200 pessoas e matou 250 na Bolívia.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias