Vírus

"Não podemos baixar a guarda" diz OMS sobre novo vírus achado em porcos na China

Descoberta foi divulgada na última segunda-feira (29) e já foram identificados humanos com o vírus ativo

Douglas Hacknen
Douglas Hacknen
Publicado em 30/06/2020 às 17:03
Notícia
REPRODUÇÃO/YOUTUBE
Christian Lindmeier - FOTO: REPRODUÇÃO/YOUTUBE
Leitura:

Em pronunciamento feito nesta terça-feira (30), durante coletiva de imprensa em Genebra, na Suíça,  o porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), Christian Lindmeier, afirmou que o mundo não pode baixar a guarda diante da descoberta de um novo vírus na China. Segundo Lindmeier, a entidade vai analisar com cuidado o estudo chinês e que é importante colaborar com descobertas, além de se manter a par das populações de animais.

» Novo vírus da gripe encontrado em porcos, na China, tem "potencial pandêmico"

"Também ressalta que não podemos baixar a guarda diante da gripe e que precisamos ficar atentos e manter a vigilância mesmo durante a pandemia de coronavírus", acrescentou o porta-voz.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse, também nesta terça, em outra coletiva que seu país está acompanhando os acontecimentos. "Tomaremos todas as medidas necessárias para evitar a disseminação e o surto de qualquer vírus", disse.

A descoberta de um novo vírus, foi divulgada na última segunda-feira (29) pela revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). O estudo indica que o G4 EA H1N1, como foi denominado, é um vírus do tipo Influenza A, responsável gripe. A descoberta é um subtipo do H1N1 decorrente de um "rearranjo genético" com o vírus que causou a pandemia em 2009.

Os pesquisadores indicaram que a cepa (cepa refere-se a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas ou fisiológica) precisa ser monitorada de perto por ter "todas as características" de ser altamente adaptável para infectar seres humanos.

O G4 já conseguiu passar de porcos para humanos, mas não há registro de infecção entre pessoas. Por enquanto, por se tratar de uma nova linhagem, as pessoas podem ter pouca ou nenhuma imunidade a ele.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias