PANDEMIA

América Latina supera 80.000 mortes por coronavírus; Europa reabre fronteiras

Desde o começo da pandemia, 80.505 pessoas morreram vítimas da covid-19, somente na América Latina

AFP
AFP
Publicado em 15/06/2020 às 22:57
Notícia
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Novo coronavírus já fez milhões de vítimas pelo mundo - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

No mesmo dia em que a Europa abria suas fronteiras internas, a pandemia voltou a dar sinais de aceleração na América Latina e no Caribe, onde foi superada nesta segunda-feira (15) a barreira de 80.000 mortes por coronavírus, mais da metade registradas no Brasil.

>> Saiba tudo sobre o coronavírus

Em meio ao temor de uma segunda onda de infecções após o registro de uma centena de casos em Pequim, o novo coronavírus soma mais de 8 milhões de contágios e 435.176 mortes no mundo, segundo contagem da AFP, com base em cifras oficiais.

E a América Latina sofre um duro golpe: desde que a doença fez a primeira vítima na região, em março, foram registradas 80.505 mortes no total, das quais 43.959 no Brasil, o segundo país do mundo em número de óbitos depois dos Estados Unidos.

Enquanto isso, os contágios na região alcançaram 1.681.378, a maioria também no Brasil, com um total de 888.271 nesta segunda. Assim, o Brasil sozinho, com 212 milhões de habitantes, supera os 865.013 casos registrados oficialmente em toda a Ásia.

O México, cujo governo considera que o pior já passou e retoma as atividades, segue o Brasil entre os países mais afetados pela pandemia na região: as mortes chegam a 17.141 e os casos confirmados já são 146.837, em uma população de 120 milhões de pessoas.

O Peru, onde 229.736 pessoas se infectaram com a covid-19, tem a segunda maior quantidade de infecções da região depois do Brasil. Além de ter matado 6.688 pessoas no país, o vírus provocou uma queda histórica de 40,49% interanual do PIB em abril, informou o governo.

A pandemia tampouco dá trégua no Chile, onde a quarentena foi prorrogada em Santiago, em meio a um crescimento acelerado nas últimas semanas, alcançando 179.436 casos e 3.362 óbitos.

Enquanto isso, no Equador, outro dos países latino-americanos mais impactados, foram retomados os voos domésticos a Guayaquil, epicentro nacional da pandemia.

Oscar adiado

Embora o governo de Donald Trump tenha dito que não voltará a fechar a economia se houver uma retomada das infecções, nos Estados Unidos também se teme uma segunda onda de casos. O país é o que soma mais óbitos (115.732). Ainda que o número de mortes diárias tenha diminuído, cerca de 20.000 contágios são registrados a cada 24 horas.

Nesta segunda, o país registrou menos de 400 mortes relacionadas com a covid-19 em 24 horas pelo segundo dia seguido, segundo cifras da Universidade Johns Hopkins, referência no acompanhamento de dados da pandemia.

Com 385 mortes contabilizadas desde a noite de domingo, o país alcançou o menor balanço diário desde o fim de março.

No campo médico, as autoridades sanitárias americanas retiraram a autorização para uso emergencial da hidroxicloroquina, medicamento defendido por Trump e pelo colega brasileiro, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada em função da falta de eficácia do remédio e da preocupação com seus riscos.

Trump, que planeja celebrar um grande comício em Oklahoma, assegurou que estava prevista a ocorrência de novos casos, diante do avanço do vírus em alguns estados em meio aos protestos antirracistas. "Vamos nos ocupar dos pontos críticos", assegurou.

Enquanto isso, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood anunciou o adiamento da cerimônia do Oscar que, tradicionalmente celebrada em fevereiro, no ano que vem foi postergada em oito semanas e será celebrada em 25 de abril de 2021, depois que a pandemia obrigou o fechamento de salas e interrompeu as estreias na meca do cinema mundial.

Do outro lado do planeta, a China deu testemunho da longa batalha que o mundo trava contra o vírus. Os alertas de um ressurgimento da doença, vinculados a um mercado, se acenderam no país asiático, onde a pandemia de covid-19 surgiu no fim de dezembro em Wuhan (centro).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou nesta segunda que foi detectada uma centena de casos em Pequim.

"Após 50 dias sem nenhum caso na cidade, foram confirmados agora mais de cem casos. Estamos investigando a origem e o alcance do surto", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

"Inclusive os países que demonstraram sua capacidade de suprimir a transmissão da covid-19 têm que continuar atentos para a possibilidade de reaparecimento" do vírus, advertiu.

Este novo surto obrigou as autoridades de Pequim a fechar instalações esportivas e de lazer e intensificar os controles para contê-lo.

Na Índia, as autoridades anunciaram um novo confinamento a partir de sexta-feira na cidade de Chennai e vários distritos vizinhos no sul do país onde vivem 15 milhões de pessoas, devido a um aumento dos casos.

Europa, reconectada

A Europa continuou o relaxamento, com a abertura das fronteiras internas às vésperas do verão, após meses de isolamento. Nesta segunda, Alemanha, Bélgica, França e Grécia restabeleceram a livre circulação com todos os países da União Europeia (UE). A Grécia foi mais longe e receberá turistas de países como Austrália, Nova Zelândia, Japão e China.

Os primeiros alemães também chegaram às Ilhas Baleares, na Espanha, em um projeto piloto que receberá 11.000 turistas deste país.

A Espanha, que registrou 27.000 mortos pelo novo coronavírus, antecipou para 21 de junho a reabertura de suas fronteiras à UE, com exceção de Portugal. "É um momento crítico para o qual temos nos preparado", disse o chefe de governo, Pedro Sánchez.

A Itália, onde houve mais de 34.000 mortos pelo novo coronavírus, abriu suas fronteiras em 3 de junho e já registrou dois novos focos nestes últimos dias em Roma.

Na França, onde houve cerca de 30.000 mortos, o ministro da Saúde, Olivier Véran, avaliou que "o mais difícil da epidemia ficou para trás".

Assine a nova newsletter do JC e fique bem informado sobre o coronavírus

Todos os dias, de domingo a domingo, sempre às 20h, o Jornal do Commercio divulga uma nova newsletter diretamente para o seu email sobre os assuntos mais atualizados do coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo. E como faço para receber? É simples. Os interessados podem assinar esta e outras newsletters através do link jc.com.br/newsletter ou no box localizado no final das matérias.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada

Comentários

Últimas notícias