PANDEMIA

Américas continuam a ser epicentro da pandemia do coronavírus, afirma OMS

Em todo o mundo, mais de 18,5 milhões de casos foram confirmados e 700 mil vidas, perdidas por causa do vírus.

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 06/08/2020 às 13:38
Notícia
FABRICE COFFRINI/AFP
Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus - FOTO: FABRICE COFFRINI/AFP
Leitura:
O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta quinta-feira (6), que a região das Américas continua a ser "o atual epicentro do vírus e tem sido particularmente atingida" pela doença. Durante entrevista coletiva, ele disse que, em todo o mundo, mais de 18,5 milhões de casos foram reportados e 700 mil vidas, perdidas por causa do vírus.
"Nenhum país tem sido poupado. Países de renda baixa, média e alta têm sido atingidos fortemente", notou, lembrando ainda que apenas três nações reportaram mais da metade dos casos da covid-19, referindo-se a Estados Unidos, Brasil e Índia.
Ghebreyesus lembrou que existe a esperança de que uma ou mais vacinas em testes se confirmem como eficazes contra a doença. Enquanto isso, porém, insistiu na necessidade de adoção das medidas já conhecidas para controlar os contágios, como o uso de máscaras, o distanciamento social, testes e rastreamento de contatos dos casos suspeitos. "É preciso saber o que podemos fazer hoje para salvar vidas", comentou.
Questionado sobre a relação com os Estados Unidos, cujo presidente Donald Trump anunciou que pretende retirar o país da entidade, Ghebreyesus lembrou que esse vínculo é longo e exaltou o papel dos EUA em salvar vidas ao longo das últimas décadas. Segundo ele, a OMS continua a trabalhar "de perto" com o país na crise atual e espera que a decisão de deixar o organismo seja reconsiderada.
 

Últimas notícias