Contágio

Coreia do Sul isola milhares de fiéis de igreja protestante após casos de coronavírus

O principal foco de contágios, segundo as autoridades, está na igreja Sarang Jeil de Seul, onde foram detectados 315 casos. As autoridades determinaram uma quarentena para 3.400 membros da comunidade.

AFP
AFP
Publicado em 17/08/2020 às 10:45
Notícia
Jung Yeon-Je/AFP
Funcionários do governo vestindo roupas de proteção em um posto de controle temporário de restrição de acesso à Igreja Sarang Jeil em Seul, na Coreia do Sul, nesta segunda-feira (17) - FOTO: Jung Yeon-Je/AFP
Leitura:

O governo sul-coreano determinou nesta segunda-feira (17) uma quarentena para milhares de membros de uma igreja protestante de Seul, após a detecção de vários focos de contágio do novo coronavírus em comunidades religiosas no país.

Durante o fim de semana, as autoridades anunciaram restrições e proibiram reuniões religiosas em Seul e na província vizinha de Gyeonggi, onde mora quase metade da população do país, ante o temor de uma segunda onda de infecções em um dos países que conseguiu frear a propagação do vírus de maneira mais eficiente.

O principal foco de contágios, segundo as autoridades, está na igreja Sarang Jeil de Seul, onde foram detectados 315 casos. As autoridades determinaram uma quarentena para 3.400 membros da comunidade.

Um em cada seis fiéis da igreja, liderada por um polêmico pastor que é uma das principais figuras dos protestos contra o presidente Moon Jae-in, foi diagnosticado com resultado positivo para COVID-19, afirmou o vice-ministro da Saúde, Kim Gang-lip.

A Coreia do Sul é considerada um dos países com a melhor gestão da pandemia, sem a necessidade de aplicar um confinamento generalizado, com um sistema que consiste em fazer testes em larga escala, isolar os infectados e as pessoas com as quais estiveram em contato e assim romper as cadeias de transmissão.

Últimas notícias