assédio sexual

Assédio a vendedora, repercussão e pedido de desculpas; quem é Victor Sorrentino, médico brasileiro preso no Egito

Sorrentino foi preso no último domingo, 30 de maio, depois de publicar um vídeo em que assediava verbalmente uma vendedora local. Nas imagens divulgadas no Instagram e apagadas em seguida, o médico perguntava à mulher em português: "Elas gostam é do bem duro. Comprido também fica legal, né?". No que a mulher sorri sem graça ao não entender o que o médico dizia.

Elton Ponce Estadão Conteúdo
Elton Ponce
Estadão Conteúdo
Publicado em 05/06/2021 às 16:27
Notícia
Reprodução
Victor Sorrentino e a mulher assediada sexualmente. Ele pediu desculpas - FOTO: Reprodução
Leitura:
Depois de ser preso no Cairo, capital do Egito, por assediar verbalmentente uma vendedora egípcia em Gizé, o médico e influenciador de Porto Alegre, Victor Sorrentino, divulgou nas redes sociais um vídeo pedindo desculpas ao lado da vítima do assédio. "Meu nome é Victor Sorrentino, eu estou gravando esse vídeo para pedir desculpas por ter errado em gravar um vídeo sem autorização da senhorita e falando palavras feias. Quero deixar claro que tenho o maior respeito pelo povo egípio em geral, especialmente as mulheres egípcias", declarou o médico, que era acompanhado de um tradutor em árabe. "Eu peço a minha mais sinceras desculpas a senhorita Him", acrescentou.
Na gravação divulgada neste sábado, 5, ao lado do assediador, a vendedora respondeu dizendo que aceita as desculpas do médico brasileiro. "Como eu represento as mulheres e o povo egípicio, como somos um povo hospitaleiro e carinhoso que recebemos a todos os visitantes de todas as partes do mundo. Para mim é suficiente que ele peça desculpas e eu vou aceitar suas desculpas", afirma a mulher, que teve o rosto borrado na imagem.
Sorrentino foi preso no último domingo, 30 de maio, depois de publicar um vídeo em que assediava verbalmente uma vendedora local. Nas imagens divulgadas no Instagram e apagadas em seguida, o médico perguntava à mulher em português: "Elas gostam é do bem duro. Comprido também fica legal, né?". No que a mulher sorri sem graça ao não entender o que o médico dizia.
A prisão foi fruto de um movimento iniciado por brasileiros e expandido por ativistas feministas egípcias. Essa articulação fez com que as ofensas verbais contra a vendedora de papiros chegassem a autoridades do país, que agora acusam o influenciador formalmente e estenderam sua prisão.
Diante da repercussão do caso e da prisão do médico, a família de Sorrentino no Brasil chegou a divulgar uma carta com um pedido de desculpas.
"Com relação aos recentes eventos relacionados ao caso do médico brasileiro Victor Sorrentino no Egito e aos danos materiais e morais causados a todos aqueles que foram afetados. Nós, a família de Victor Sorrentino, em nome de Victor, oferecemos um pedido de desculpas oficial à vitima, sua família e a todos aqueles que foram atingidos pelo ocorrido. A todo amado povo egipicio e a todos os oficiais do Estado do Egito nós oferecemos nossos sentimentos mais sinceros e nos comprometemos a reparar todos os danos morais e materiais. Pedimos que aceitem nosso pedido de desculpas", diz a carta.
O médico foi formalmente acusado de expor a vítima a insinuação sexual verbal, cuja pena é de 6 meses até 3 anos de prisão e multa não inferior a EGP 5.000 (cerca de R$1.643), ou uma das duas penalidades; transgressão contra os princípios e valores familiares da sociedade egípcia, com pena mínima de 6 meses de prisão e multa não inferior a EGP 50.000 (cerca de R$16.429), ou uma das duas penalidades; violação da santidade da vida privada da vítima e uso de conta digital privada para cometer esses crimes, ambas
 

Últimas notícias