pandemia

OMS descarta necessidade de terceira dose anticovid atualmente

"Pensamos claramente que os dados atuais não indicam que as doses de reforço sejam necessárias", declarou a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, em coletiva de imprensa

AFP
AFP
Publicado em 18/08/2021 às 15:55
Notícia
Rovena Rosa/Agência Brasil
São Paulo - Vacinação contra covid-19 aos profissionais da saúde do Hospital das Clínicas, no Centro de Convenções Rebouças. - FOTO: Rovena Rosa/Agência Brasil
Leitura:

A Organização Mundial da Saúde (OMS) denunciou, nesta quarta-feira (18), o avanço dos países ricos para a terceira dose da vacina anticovid e afirmou que os dados não demonstram a necessidade de administrar uma dose de reforço agora.

"Pensamos claramente que os dados atuais não indicam que as doses de reforço sejam necessárias", declarou a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, em coletiva de imprensa.

A responsável explicou que é preciso "esperar que a ciência diga quando os reforços serão necessários, para quais grupos de pessoas e para quais vacinas".

Do ponto de vista "moral e ético", a cientista criticou que os países ricos administrem a terceira dose "enquanto o resto do mundo espera sua primeira injeção".

Os Estados Unidos anunciaram, pouco depois de suas declarações, uma campanha de reforço das vacinas da Pfizer e Moderna no final de setembro devido à preocupação das autoridades com uma queda da proteção imunológica.

O órgão regulador de medicamentos dos EUA, a FDA, ainda precisar aprovar essa dose adicional.

Israel já iniciou uma campanha semelhante para os idosos, apesar do pedido da OMS para uma moratória.

Injetar uma terceira dose agora é como "distribuir coletes salva-vidas extras para quem já tem um", enfatizou nesta quarta-feira o diretor de emergências da OMS, Mike Ryan.

O diretor-geral da organização da ONU, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu aos líderes para mirarem além dos "estreitos objetivos nacionalistas".

"Neste contexto, me surpreenderam as informações de que as vacinas da J&J fabricadas e embaladas na África do Sul saem do continente e vão para a Europa", acrescentou, pedindo ao laboratório para privilegiar a África.


Últimas notícias