INSETOS

O fotógrafo de borboletas que retratou o universo alado da Colômbia

Juan Guillermo Jaramillo é o coautor do inventário que certificou a Colômbia como o país com mais espécies de borboletas no mundo

AFP
AFP
Publicado em 03/09/2021 às 3:00
Notícia
JOAQUIN SARMIENTO / AFP
Juan Guillermo Jaramillo - FOTO: JOAQUIN SARMIENTO / AFP
Leitura:

Ele passou por sua própria metamorfose. Juan Guillermo Jaramillo se tornou o grande retratista de borboletas na Colômbia após constatar como era difícil fotografar as aves que observou por anos. Sua nova inclinação daria um voo inesperado.

O agrônomo de 65 anos, ex-diretor de uma empresa de comida para animais e com uma curiosidade inesgotável pela fauna alada, Jaramillo é o coautor do inventário que certificou a Colômbia como o país com mais espécies de borboletas no mundo.

A lista foi publicada em junho pelo Museu de História Natural de Londres, onde está a maior e mais antiga coleção destes insetos.

"Checklist of Colombian Butterflies" (Lista de Borboletas da Colômbia) compilou 3.642 espécies neste país megadiverso dos Andres, o que representa 19,4% de todas as variedades conhecidas.

Mas Jaramillo - ele pede para esclarecer - não é um colecionador. "Rompi com a imagem tradicional associada às borboletas, a de colecionadores que as matam, as enfiam em um envelope e, sobretudo, as colocam em uma caixa atravessadas por alfinetes", explica.

"Simplesmente não consigo matá-las", diz à AFP em sua casa em Jardín, um município do departamento (estado) de Antioquia, no noroeste da Colômbia.

O desmatamento, a pecuária e o aquecimento global estão destruindo seus hábitats. Juntamente com as abelhas, as borboletas são importantes polinizadores e fonte de alimento para pássaros e serpentes.

Jaramillo tem um banco de imagens com 220.000 fotos de borboletas e ele só captou 1.500 espécies na Colômbia, pouco menos da metade da lista com a qual contribuíram outros retratistas.

JOAQUIN SARMIENTO / AFP
Juan Guillermo Jaramillo em sua casa - JOAQUIN SARMIENTO / AFP

Iscas e outras descobertas 

Há 15 anos, Jaramillo vasculha bosques e florestas em busca de "joias aladas", o que não é isento de riscos em um país que tem estado sob o fogo das guerrilhas e dos paramilitares por mais de meio século.

O acordo de paz de 2016 com os guerrilheiros das Farc (marxista) minguou o conflito e liberou algumas áreas para o acesso de cientistas, naturalistas e observadores. Mas outros grupos armados que se alimentam do narcotráfico persistem em algumas zonas rurais.

"Já estou aposentado, tenho tempo livre, gostaria de ir a muitos lugares, mas tem alguns aonde não vou simplesmente por medo", diz.

Sempre ágil e com boa forma, entre adentra os campos com uma câmera, um tripé e uma invenção própria: as iscas de camarão.

A chuva cede e Jaramillo desce pelas trilhas de uma reserva natural. Leva um borrifador com um líquido rosado. Ele tentou várias iscas até descobrir que a de camarão - que bate no liquidificador pelas manhãs - é o que mais atrai as borboletas.

Ele espalha o suco mal cheiroso sobre as pedras e as folhas que crescem junto a um riacho caudaloso. Também deixa pequenas bolas de algodão molhadas com a isca. "Assim as faço crer que é excremento de aves", explica.

Ele volta pelo mesmo caminho em que chegou para ver se alguma pousou. "Quando as borboletas pousam em uma folha, ficam um bom tempo ali, chupando a areia. São quase como modelos. Sem a isca seria impossível ver algumas espécies no bosque porque vivem em árvores muito altas".

Outro temporal frustra a sua jornada. "Sem sol, não há borboletas", conta. No dia seguinte, ele terá mais sorte.

JOAQUIN SARMIENTO / AFP
Juan Guillermo Jaramillo - JOAQUIN SARMIENTO / AFP

Metamorfose

Antes de se encantar pelos lepidópteros, Jaramillo avistava pássaros. Com as aves já tinha feito algo parecido ao inventário de borboletas. A Colômbia reúne a maior biodiversidade dos dois animais, além de orquídeas, segundo o Convênio das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica (CBD, na sigla em inglês).

Mas foi com a fotografia digital que ele começou sua metamorfose. "Fazer uma boa foto de pássaros é difícil porque são necessárias lentes muito grandes, pesadas, mas estando no campo fiz fotos das borboletas". Quando baixou as imagens, se assombrou com suas formas e cores.

Então, migrou de um mundo abundante para outro incomensurável. Borboletas e mariposas integram o grupo de insetos mais numeroso do planeta, depois dos besouros, com quase 160.000 variedades descritas.

"Na Colômbia pode haver o dobro de borboletas do que de aves. Nos Andes me disseram que há cerca de 10% ou 15% de espécies de borboletas sem descrever. Temos muitas fotos de espécies não descritas", diz à AFP a americana Kim Garwood, autora de cinco livros sobre estes insetos e coautora da "Checklist of Colombian Butterflies".

Perto de seu sítio, em uma via pouco transitada e cercada por um bosque, Jaramillo se sente no lugar perfeito. O sol brilha desde cedo. "O ar quente as ajuda a sustentar o voo, e quando chove, as borboletas ficam debaixo das folhas como se fossem guarda-chuvas", descreve.

Segue-se, então, o ritual da isca e desta vez as borboletas pousam aos montes. Jaramillo aprendeu a domá-las. Com um pouco de saliva, as aproxima das mãos e do nariz. Fotografa uma e outra durante horas. Surpreende-se com suas cores. Se há uma imagem nova, a salva em sua base de dados para que depois os especialistas a classifiquem.

Com a noite, começa para ele uma nova expedição. Ele sobe para uma espécie de estúdio de luzes que instalou no sítio. Também descobriu que as mariposas se acalmam com a luz. São suas novas modelos.

"Com borboletas e mariposas tenho trabalho para esta e dez vidas mais", contenta-se.

Comentários

Últimas notícias