AFEGANISTÃO

Vídeo: jovens do Talibã são filmados dançando às margens de um rio

A cena teria sido inimaginável 25 anos atrás, quando o grupo islâmico linha-dura chegou ao poder pela primeira vez e baniu a música do país

AFP
AFP
Publicado em 25/09/2021 às 3:00
Notícia
REPRODUÇÃO DE VÍDEO/AFP
Uma dança no final de um longo dia pode ser um indicativo de que o Talibã está menos radical - FOTO: REPRODUÇÃO DE VÍDEO/AFP
Leitura:

Uma dança no final de um longo dia pode ser um indicativo de que o Talibã está menos radical. Ao entardecer no rio Arghandab, sete jovens do movimento extremista fazem um círculo na margem, cantando e bailando no tradicional estilo afegão. A cena teria sido inimaginável 25 anos atrás, quando o grupo islâmico linha-dura chegou ao poder pela primeira vez e baniu a música do país.

Há apenas alguns meses, o leito do rio foi o local de confrontos sangrentos entre o Talibã e as forças do governo. É o que mostra a ponte de concreto onde os homens dançam, que está dividida em duas devido a combates.

Mas agora o coro surge na margem rochosa, enquanto os homens se movem de um lado para o outro, batendo palmas e entoando a letra de uma canção patriótica afegã: "Me mande um alô de Cabul... estou com muita saudade".

Quando o Talibã governou o Afeganistão de 1996 a 2001, todo entretenimento, incluindo canto e dança, foi proibido.

Hoje esses jovens talibãs ouvem música - mesmo que a maior parte delas seja religiosa.

Desde a volta do grupo ao poder em meados de agosto, até mesmo os líderes do Talibã parecem ter relaxado um pouco sobre o assunto - pelo menos nas grandes cidades, onde as pessoas não são punidas por ouvir música.

Os jovens talibãs sob a ponte estavam lá para relaxar antes de voltar para Kandahar, o local de nascimento espiritual do movimento, a apenas 10 quilômetros de distância.

Embora a origem da canção não seja clara, ela celebra a unidade nacional em um país cheio de divisões étnicas e tribais.

Quem sabe a dança dos homens também não seja uma esperança para as mulheres, cujos direitos nunca existiram durante o domínio talibã.

Comentários

Últimas notícias