CONFLITO

Estados Unidos acusam Rússia de criar clima de Guerra Fria na Ucrânia e ameaçam com represálias

Qualquer violação pela Rússia da soberania territorial da Ucrânia "nos levaria de volta a uma época perigosa e instável, quando este continente estava dividido em dois (...) com a ameaça de uma guerra total pairando sobre nossas cabeças", disse o secretário de Estado americano, Antony Blinken

AFP
AFP
Publicado em 20/01/2022 às 16:11
KAY NIETFELD / POOL / AFP
Ucrânia e Rússia foram tema de reunião entre EUA, Reino Unido, França e Alemanha - FOTO: KAY NIETFELD / POOL / AFP
Leitura:

Os Estados Unidos alertaram nesta quinta-feira (20) que a Rússia está retomando as perigosas tensões da Guerra Fria ao mobilizar milhares de soldados na fronteira com a Ucrânia e ameaçaram Moscou com novas represálias em caso de invasão.

Qualquer violação pela Rússia da soberania territorial da Ucrânia "nos levaria de volta a uma época perigosa e instável, quando este continente estava dividido em dois (...) com a ameaça de uma guerra total pairando sobre nossas cabeças", disse o secretário de Estado americano, Antony Blinken, em Berlim.

Blinken se reuniu nesta quinta-feira na capital alemã com seus aliados europeus, na véspera de uma reunião crucial em Genebra com os russos.

A Rússia enviou dezenas de milhares de soldados para a fronteira ucraniana, fazendo temer uma invasão. Moscou nega qualquer intenção de atacar, mas exige que uma desescalada passe por garantias formais para sua segurança.

"Yalta 2"

Blinken e os aliados dos Estados Unidos optaram pela firmeza.

"Qualquer" violação da fronteira ucraniana pela Rússia provocaria uma reação "rápida e severa" dos Estados Unidos, alertou Blinken.

Seu homólogo francês Jean-Yves Le Drian, presente em Berlim, alertou os russos contra o desejo de forjar um "Yalta 2", uma nova repartição das esferas de influência entre o leste e o oeste, 77 anos depois da conferência que projetou a Europa do pós-guerra.

Em Londres, o primeiro-ministro Boris Johnson classificou como "desastre para todo o mundo" uma eventual invasão russa da Ucrânia.

As "invasões menores" não existem, disse por sua vez o presidente ucraniano Volodimir Zelenski, em resposta às polêmicas palavras de seu homólogo americano Joe Biden. Na quarta-feira, Biden gerou confusão ao afirmar que uma "invasão menor" da Rússia poderia provocar uma resposta mais modesta dos aliados da Otan.

A Casa Branca esclareceu depois essas palavras, prometendo uma "resposta rápida, severa e unida" dos Estados Unidos e seus aliados caso a fronteira ucraniana seja atravessada pelas forças russas.

Horas mais tarde, Biden afirmou que qualquer invasão de tropas russas na Ucrânia seria considerado como uma "invasão" e que levaria a "uma resposta econômica dura e coordenada" abordada com seus aliados.

Nesta quinta-feira, os Estados Unidos impuseram sanções a quatro ucranianos, entre eles dois deputados, acusados de trabalhar com os serviços secretos russos (FSB) e de "atividades desestabilizadoras" na Ucrânia.

Antony Blinken espera, porém, encontrar uma porta de saída diplomática para as crescentes tensões entre Kiev e Moscou.

Na quarta-feira, durante uma visita de apoio à Ucrânia, pediu ao presidente russo Vladimir Putin para optar por uma "via pacífica"

Mas a Rússia respondeu nesta quinta-feira anunciando exercícios navais em massa em janeiro e fevereiro no Atlântico, no Ártico, no Pacífico e no Mediterrâneo.

E, pouco antes, o Kremlin denunciou os comentários "desestabilizadores" de Joe Biden sobre Ucrânia, depois que o presidente americano prometeu uma resposta "severa" em caso de um ataque militar russo contra Kiev.

Diante da reunião crucial que Blinken terá na sexta-feira com seu homólogo russo Serguei Lavrov, o secretário de Estado americano afirmou que "temos que ver onde nós estamos" e "se restam oportunidades para continuar com a diplomacia".

Comentários

Últimas notícias