ARTIGO

Maçonaria e o aniversário do Grande Oriente Independente de Pernambuco

"A união fraterna e homogênea dos maçons e da maçonaria, em todos os recantos do mundo, é uma das bases de sustentação da humanidade". Leia a opinião de Adeildo Nunes

Adeildo Nunes
Adeildo Nunes
Publicado em 22/07/2021 às 6:21
Notícia
PIXABAY
"A Maçonaria Universal é uma sociedade secreta, aberta a todos os seres humanos de bons costumes e de todas as religiões e crenças" - FOTO: PIXABAY
Leitura:

A Maçonaria Universal - hoje composta por cerca de 6 milhões de maçons - é uma sociedade secreta, aberta a todos os seres humanos de bons costumes e de todas as religiões e crenças. As três grandes potências maçônicas brasileiras - o Grande Oriente do Brasil, as Grandes Lojas e o Grande Oriente Independente - dirigem os destinos da Ordem dos Maçons Livres e Aceitos, que buscam, acima de tudo, preservar a fraternidade, a liberdade e a igualdade entre os seus obreiros e o corpo social, um lema também copiado pelos ideais da Revolução Francesa, que aliás foi conduzida e inspirada pela Maçonaria.

A primeira reunião templária oficial da Maçonaria Universal deu-se em 1813, na Grande Loja de Londres, embora do ponto de vista histórico a Ordem Maçônica tenha sido fundada em 1717, num dia de São João. Há historiadores que apontam a existência da Grande Loja da Escócia, já em 1725. A primeira Loja Maçônica brasileira foi instalada pelo padre carmelita, Manuel Arruda Câmara, em Pernambuco, em 1796, no Areópago de Itambé, onde os seus maçons desabrocharam a Revolução Pernambucana de 1817.

Pode-se afirmar que não é possível ingressar na Maçonaria sem declarar a sua crença em Deus, o Grande Arquiteto do Universo, nem tampouco revelar publicamente os segredos maçônicos que comumente exaltam a felicidade humana e a paz social.

Em 18 de julho de 1973, alguns maçons criaram o Grande Oriente Independente de Pernambuco (GOIPE), hoje com 800 obreiros, atualmente dirigido pelo Grão Mestre Guilherme de Queiroz Ribeiro. Porém, foi na administração do então Grão Mestre Antônio do Carmo Ferreira, escritor, presidente da Assembleia Legislativa Maçônica e da Academia Brasileira Maçônica de Letras, que o GOIPE expandiu as suas atividades maçônicas, atingindo todos os objetivos que permeiam a Ordem Maçônica Universal.

Em 18 de julho passado, nos seus 48 anos de existência, o GOIPE e os seus maçons reuniram todos os segmentos maçônicos do País, quando homenagens inesquecíveis foram prestadas à várias autoridades maçônicas do País e, no final do evento, deu-se a assinatura do Tratado de Mútuo Reconhecimento e Amizade entre o Grande Oriente Independente e a Grande Loja Maçônica de Pernambuco, lavrado pelos seus Grãos Mestres, Guilherme de Queiroz Ribeiro e João Ângelo Muniz. A união fraterna e homogênea dos maçons e da maçonaria, em todos os recantos do mundo, é uma das bases de sustentação da humanidade.

Adeildo Nunes, grande procurador-geral do GOIPE

  *Os artigos são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião do JC

Comentários

Últimas notícias