ARTIGO

A história de um casal querido no 11 de setembro

Amanhã, serão 20 anos dessa data. E o que dá para chorar, dá para rir. Em vez de lembrar a tragédia, prefiro contar o que aconteceu com um casal querido

José Paulo Cavalcanti Filho
José Paulo Cavalcanti Filho
Publicado em 10/09/2021 às 6:15
Notícia
ANGELA WEISS / AFP
Nova York - FOTO: ANGELA WEISS / AFP
Leitura:

Amanhã, serão 20 anos dessa data. E o que dá para chorar, dá para rir. Em vez de lembrar a tragédia, prefiro contar o que aconteceu com um casal querido, Lourdeca e José Maria Pereira Gomes (hoje, apenas saudade). Manhã de terça, chegaram em Nova York. Quando aviões-bomba de Bin Laden já passavam pela Estátua da Liberdade. Um taxi os levava do aeroporto Kennedy ao Newark, onde fariam conexão para Washington. À noite, estariam na abertura de Congresso Mundial de Cardiologia, próximo ao Pentágono. Na ponte Verrazano, local de partida da maratona de NY, ouviram a primeira explosão. Além de bombeiros e ambulâncias com sirenes enlouquecidas. Maus presságios.

Trânsito engarrafado. Pelo rádio, souberam dos aeroportos fechados. Cavaletes policiais interditavam a ponte Bayone, que dá acesso a Nova Jersey e Manhattan; já prenunciando que eles, ao menos dessa vez, voltariam ao Brasil sem pôr os pés no Bloomingdales. O locutor anunciou one tower has collapsed. Depois a outra. Tentaram voltar pela ponte Verrazano, agora já bloqueada. Meio-dia e estavam presos na pequena e sem graça Staten Island. Procuraram hotel e acabaram encontrando um que lembrava Al Capone - com móveis, pinturas e cheiros daquele tempo. No lobby, mais de 100 casais esperando quartos e rezando. Ante-sala do apocalipse. A distribuição se daria por sorteio. Disse o nome. E, por não confiar tanto assim na sorte, foi junto uma nota de cem dólares para o bolso do gerente. Receberam a ficha no 20. Lembrou para jogar no bicho.

A noite veio e ainda esperavam. Por cima das malas. Sem lanche. Sem água. Sem notícias. Até que, afinal, alvíssaras. Ganharam o último quarto disponível. Sem televisão. E sem ar condicionado, numa temperatura local de quase 40º. Para piorar, o único restaurante do hotel era mexicano. E o Presidente Bush, na televisão, dizia com voz gaguejante "...somos um grande país... uma nação forte... que Deus abençoe a América". Ainda ficaram seis dias por lá. Pagando diárias que expressavam, admiravelmente, os efeitos da lei da oferta e da procura. Comendo só fajitas e tortillas. No café, no almoço e no jantar. Até que, Deus é pai, conseguiram voltar. Tendo antes de entrar no avião, ironia suprema, que nos autofalantes ainda ouvir a voz melosa de Louis Armstrong anunciando que o mundo era maravilhoso, "What a Wonderful World, oh yeahhhhhh".

José Paulo Cavalcanti Filho, advogado

 

*Os artigos são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a opinião do JC

 

Comentários

Últimas notícias