OPINIÃO

Agora é virar o quebra-mar que poderá salvar a nossa democracia

Mas em que ponto estamos, exatamente? Já iniciamos mais uma onda reversa ou estamos apenas em um momento de calmaria?

RICARDO RIQUE
Cadastrado por
RICARDO RIQUE
Publicado em 30/06/2022 às 10:51 | Atualizado em 30/06/2022 às 10:59
Thiago Lucas
Ataques à democracia no Brasil - FOTO: Thiago Lucas
Leitura:

O filme Escape From Alcatraz estreou em 1979, protagonizado por Clint Eastwood, e conta a história de um prisioneiro que consegue fugir da lendária prisão de segurança máxima, construída numa pequena ilha, no meio da Baía de São Francisco, na Califórnia, conhecida por ser à prova de fugas. O personagem Frank Morris consegue passar por guardas, grades e muros. Já estava pronto para atravessar a baía a nado e enfrentar o maior problema daquela fuga: a arrebentação, que quebra furiosamente nas pedras em volta da ilha. Morris observou e entendeu o mecanismo cíclico das ondas. Elas surgem em séries de 6 a 9 vezes, seguidas por uma breve calmaria. Foi contando as ondas e aguardando o mar manso em que o prisioneiro nadou para a liberdade.
Na costa oposta dos Estados Unidos, o cientista político Samuel Huntington também observava o movimento das ondas, especialmente o fato de avançarem com força para retrocederem em seguida, quando publicou o texto A Terceira Onda: Democratização no Século 21, em 1991, apenas 12 anos depois da estreia do filme sobre a fuga de Alcatraz. A obra demonstra que a democracia se estabelece e se desfaz como ondas ao longo da nossa história. A primeira onda ocorreu nos anos 1820, marcada pelo sufrágio universal, e durou cerca de 100 anos, quando ocorreu a primeira onda reversa. A partir de 1920, o número de Estados democráticos no mundo foi sendo reduzido até chegar a apenas 12. Com a vitória dos Aliados, na Segunda Guerra, uma nova onda democrática retomou o movimento com mais 24 novas democracias em quase duas décadas, atingindo o seu ápice em 1962, com 36 Estados democráticos. Depois desse segundo avanço, veio um outro recuo que derrubou 6 democracias. Hoje, estamos na terceira onda democratizante, que começou em 1975. Atualmente, temos 74 democracias, das quais 21 são consideradas plenas, segundo o Democracy Index, da Economist Intelligence Unit.
Mas em que ponto estamos, exatamente? Já iniciamos mais uma onda reversa ou estamos apenas em um momento de calmaria? Para tentar chegar a uma resposta, o autor sugere observar as causas que moveram a última onda "desdemocratizante" e comparar o contexto da época com o momento atual: 1) enfraquecimento de valores democráticos; 2) degradação econômica; 3) polarização política e social; 4) embates classistas; 5) quebra de leis e do estado de direito; 6) invasão de uma força externa não democrática; 7) quebra do efeito bola de neve democrática por falha do sistema em outros países.
O que se pode reunir de informações sobre o passado das ondas democráticas não garante uma previsão assertiva para o futuro das democracias no mundo. O consenso entre muitos cientistas políticos é que os fatores econômicos e o governo são fortemente determinantes. Olhando para o Brasil, podemos afirmar que, de alguma forma, cumprimos quase todos os movimentos que antecedem uma reversão democrática, exceto o da "invasão de uma força externa” — que parece só ocorrer na “realidade” tresloucada do nosso presidente e da sua turma. Seis indícios são mais que suficientes para concluirmos que, no Brasil de hoje, a maré está no sentido de recuo democrático e que a correnteza está forte.
A nossa onda "desdemocratizante" lembra mais a do filme O Impossível, de 2012. Na história, um tsunami destrói tudo por onde passa. No nosso caso, o que está sendo varrido com mais força por essa catástrofe política é tudo aquilo que faz uma sociedade democrática manter-se de pé: verdade, instituições, diálogo, dignidade, respeito, paz, economia, direitos humanos, povos originários, floresta, todos os fundamentos que garantem a nossa ideia de humanidade. Assim como Frank Morris, atravessamos muitos obstáculos nesses quase quatro anos de governo Bolsonaro. Agora que estamos diante do momento mais crucial, é hora de observar o movimento das ondas e saltar juntos para virar o quebra-mar que poderá salvar a nossa democracia.

Ricardo Rique, publicitário e graduando em Ciência Política


Comentários

Últimas notícias