Crime

Ibama apreende duas serpentes em encomenda dos Correios no Recife

As cobras foram encaminhadas em duas embalagens diferentes; uma iria para Garanhuns e a outra para Paulista

Douglas Hacknen
Douglas Hacknen
Publicado em 23/07/2020 às 19:41
Notícia

DIVULGAÇÃO/IBAMA
Ibama-PE apreendeu duas serpentes que estavam sendo traficadas - FOTO: DIVULGAÇÃO/IBAMA
Leitura:

O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) apreendeu nesta quinta-feira (23) duas serpentes, oriundas da América do Norte, no Recife. Os animais que estavam sendo traficados foram identificados após passarem pelo equipamento de raio-X dos Correios. A identificação pôde ser verificada no Centro de Distribuição dos Correios, no bairro do Prado, Zona Oeste da capital pernambucana. 

Foram duas embalagens diferentes. Faz parte da rotina da estatal de transporte realizar a verificação das encomendas que são enviadas. Ao identificarem algo de anormal se movimentando dentro das embalagens, os funcionários acionaram o Ibama, que ao abrirem a encomenda encontraram dois animais silvestres, uma Corn Snake e uma Nigritus Snake.

DIVULGAÇÃO/IBAMA
O IBAMA PE apreendeu duas serpentes que estavam sendo traficadas. Nigritus Snake. - DIVULGAÇÃO/IBAMA
DIVULGAÇÃO/IBAMA
O IBAMA PE apreendeu duas serpentes que estavam sendo traficadas. - DIVULGAÇÃO/IBAMA
DIVULGAÇÃO/IBAMA
O IBAMA PE apreendeu duas serpentes que estavam sendo traficadas. - DIVULGAÇÃO/IBAMA

O nome das pessoas que efetuaram o envio não foi informado, mas os destinatários eram duas mulheres, uma na cidade de Garanhuns, no Agreste pernambucano e outra no município do Paulista, na Região Metropolitana do Recife. O pacote que continha a 'cobra-do-milho' (Corn Snake), foi enviado do bairro de  Igarapava, em São Paulo, para Paulista. 

Já a Nigritus Snake, comum no Deserto de Sonora, na fronteira entre os Estados Unidos e o México, também foi enviada de São Paulo, mas do bairro Indaiatuba e tinha como destino Garanhuns.

Segundo o chefe de fiscalização do Ibama em Pernambuco, Amaro Fernandes, "aparentemente as cobras não foram enviadas pelas mesmas pessoas". 

Crimes

A Corn Snake e a Nigritus Snake são animais silvestres, portanto, tanto quem enviou, quanto quem efetuou a compra podem responder por diferentes crimes ambientais (lei nº 9.605/98).

Quem vendeu: venda de animal silvestre sem autorização do órgão competente, importação de animais e maus tratos. A pessoa que comprou deve responder pela compra do animal silvestre sem autorização do órgão competente, importação de animais e maus tratos.

As penas para cada um dos crimes citados pode variar de três meses há um ano e multa. A investigação já foi iniciada e a comunicação do crime deve ser enviado para o Ministério Público Estadual (MPE).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias