O retrato do abandono

PATRIMÔNIO Casa onde morou Capiba foi alvo de arrombamentos e sofre sem manutenção. Tombamento se arrasta há quase três anos

Ciara Carvalho
Ciara Carvalho
Publicado em 16/08/2020 às 6:00
YACY RIBEIRO/JC IMAGEM
FOTO:YACY RIBEIRO/JC IMAGEM DATA: 05.08.2020 ASSUNTO:"Abandono da Casa de Capiba", localizada na Rua Barão de Itamaracá, n 368 - Espinheiro. - FOTO: YACY RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

Um processo que já dura quase três anos. E, enquanto se arrasta, o abandono toma conta. Em outubro de 2017, a Secretaria de Cultura de Pernambuco acatou o pedido de tombamento da casa onde o compositor Lourenço da Fonseca Barbosa, mais conhecido como Capiba, viveu por 40 anos. Houve a desapropriação, mas quem passa pela Rua Barão de Itamaracá, no bairro do Espinheiro, Zona Norte do Recife, se impressiona com a situação do imóvel. À noite, o local vira ponto para usuários de drogas, parte do telhado está destruído, paredes foram tomadas pelo cupim. Na entrada da casa, lixo espalhado e um tapume de madeira precisou ser reforçado após mais um arrombamento.

A residência foi construída em 1948 pelo compositor. Havia sido colocada à venda pela família, quando o governo do Estado dicidiu desapropriá-la e iniciou o processo de tombamento. Na época, a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) emitiu um parecer definindo a edificação como uma casa simples e bem construída. Três meses após o início do processo, a casa foi arrombada, em janeiro de 2018. Outras invasões se repetiram. A última ocorreu no dia 28 do mês passado. Há informações de que os ladrões já levaram pia, vaso sanitário, tudo o que conseguiram arrancar.

Para a vizinhança, o descaso com a preservação da história do compositor tem trazido uma preocupação a mais. Virou motivo de insegurança. O imóvel está localizado entre dois prédios. Um deles já foi alvo de invasão por pessoas que usam o jardim erguido em frente à casa para usar drogas. Sem manutenção, o mato cresce e deixa o local ainda mais vulnerável.

"Tivemos que instalar uma cerca elétrica para evitar novas invasões. É uma falta de respeito imensa. Não só com a casa que está se acabando, mas com todos da vizinhança. Porque esse abandono traz também doença, gera focos do mosquito Aedes Aegypti. A gente já teve orgulho de dizer que era vizinho da casa de Capiba, mas depois que o imóvel foi para as mãos do Estado está nessa situação", afirma Ana Cristina Lins, síndica de um dos edifícios vizinhos à casa.

No mês passado, moradores flagraram o desperdício de água por dias seguidos vindo de um cano localizado nos fundos da casa. O transtorno é tão grande que os vizinhos resolveram fazer um ofício pedindo providências à Secretaria de Administração, que está à frente do processo de tombamento da residência. No comunicado, os moradores apontam a falta de manutenção, afirmando que no local há presença de ratos, timbus, cobras e outros animais que ultrapassam os limites do terreno e invadem as áreas dos prédios, gerando risco à saúde dos moradores.

"Desde que a casa foi desapropriada, estamos enfrentando essa situção. Já pedimos várias providências, inclusive nas vezes em que o imóvel foi alvo de arrombamentos. Nem a limpeza da fachada podemos fazer por se tratar de propriedade do Estado", explica a síndica do outro prédio vizinho, Micheliny Freitas Pessoa.

Morando em Surubim, no Agreste do Estado, a viúva do compositor, Zezita Barbosa, lamentou o estado de abandono em que se encontra o imóvel onde morou durante décadas. "Eles desapropriaram minha casa do dia para a noite. Para que? Para ficar desse jeito? Se acabando a olhos vistos. Agora é só mais um imóvel desapropriado e abandonado. Só isso", criticou. Ela cobrou a conclusão do processo de tombamento, etapa fundamental para permitir a recuperação do imóvel. "Eu fico revoltada com a falta de cuidado. Uma casa com tanta história. Sempre foi a morada de Capiba. Vão terminar derrubando", disse a viúva.

Questionada pelo JC, a Secretaria de Administração limitou-se a responder todas as perguntas formuladas pela reportagem com uma nota que sequer informa sobre o andamento do processo de tombamento. Não dá prazo de conclusão nem esclarece que projetos estão previstos para o espaço. O comunicado também não responde quando será feita a manutenção do imóvel e as medidas tomadas para reforçar a segurança. A nota, na íntegra:

"O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Administração (SAD), informa que, em respeito à memória de Capiba e por clamor social, adquiriu a casa onde residiu o maior compositor de frevo do Brasil. No momento, o Estado está concluindo estudos para viabilizar a destinação adequada do espaço. A SAD informa que irá reforçar a segurança no local e unirá esforços para otimizar e redirecionar recursos financeiros de outras áreas para os devidos reparos do imóvel. Com isso, o Governo de Pernambuco disponibilizará para o povo pernambucano e para os turistas que visitam a capital um espaço que eternize a memória de Capiba."

 

YACY RIBEIRO/JC IMAGEM
DESCASO Parte do telhado da antiga residência está destruído. O tapume na entrada precisou ser reforçado para evitar novas invasões. Na frente do imóvel, roupas, lixo e restos de comida - FOTO:YACY RIBEIRO/JC IMAGEM
YACY RIBEIRO/JC IMAGEM
Abandono da Casa de Capiba", localizada na Rua Barão de Itamaracá, n 368 - Espinheiro. - FOTO:YACY RIBEIRO/JC IMAGEM
REPRODUÇÃO
Eles desapropriaram minha casa do dia para a noite. Para que? Para ficar desse jeito? Se acabando a olhos vistos. Agora é só mais um imóvel desapropriado e abandonado. Só isso. Uma casa com tanta história. Sempre foi a morada de Capiba. Vão terminar derrubando", criticou Zezita Barbosa, viúva de Capiba - FOTO:REPRODUÇÃO

Comentários

Últimas notícias