Checagem

Ferramenta Confere.ai começa a funcionar nesta quinta-feira (24)

Primeira versão do projeto fará checagem de links de notícias e tem o objetivo de ajudar você a escapar da desinformação.

JC
JC
Publicado em 24/09/2020 às 7:00
Notícia

CONFERE.AI
FACT CHECK Confere.ai faz checagens usando inteligência artificial - FOTO: CONFERE.AI
Leitura:

Começa a funcionar nesta quinta-feira (24) o Confere.ai, uma ferramenta de checagem automática de notícias e de produção de conteúdos sobre desinformação desenvolvida pela startup Verific.ai e pesquisadores da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) junto ao Sistema Jornal do Commércio de Comunicação (SJCC). O projeto chega a três dias do início oficial da campanha eleitoral 2020, com o objetivo de ampliar a cultura da verificação e criar mecanismos para ajudar a audiência a identificar de forma mais rápida e segura conteúdos falsos ou enganosos. Para acessar, basta entrar no site confere.ai ou buscar nas páginas iniciais dos sites do SJCC.


O Confere.ai é um medidor de características de desinformação, que utiliza técnicas de inteligência artificial e identifica padrões de conteúdos falsos. Para utilizar a plataforma, basta acessar o site e colar um link de notícia a ser checado. A ferramenta responderá com o nível de desinformação, que pode ir de mínimo - selo para links com poucos indícios de serem enganosos - a crítico, para notícias com muitas características presentes em uma desinformação. Inicialmente, o Confere.ai entrará em funcionamento para a checagem de links de notícias. Em breve, será lançada a versão que também irá verificar textos.


Além de verificar os links, o projeto irá produzir diversos conteúdos para ensinar a audiência a identificar boatos e mentiras que circulam nas redes sociais, que serão publicados nos sites do JC Online, NE10, Rádio Jornal e TV Jornal. Entre os assuntos abordados, estarão matérias informativas e explicativas, que mostrarão desde o impacto do compartilhamento de conteúdos falsos na sociedade até formas de entender como funcionam, por exemplo, uma urna eletrônica ou a produção de uma vacina. O conteúdo ficará sempre na home dos sites do Sistema, embaixo da lista de blogs e colunas.


Selecionado pelo Desafio de Inovação da Google News Initiative para a América Latina, sendo o único projeto 100% do Nordeste contemplado entre os 30 escolhidos em todo o continente, o Confere.ai entra em funcionamento em um momento vital para o combate à desinformação: o encontro entre a infodemia da covid-19 e a campanha eleitoral.


O lançamento da ferramenta reforça o compromisso do SJCC com a qualidade do consumo de notícias no ambiente digital. "A preocupação com a desinformação, que as pessoas costumam chamar de ‘fake news’, é uma constante no Sistema Jornal do Commercio. É muito bom conseguir dar vida ao projeto Confere.ai exatamente nesse início de período eleitoral, momento em que boatos e mentiras costumam correr em alta velocidade. Nós esperamos com isso que nosso leitores, ouvintes e telespectadores adquiram o saudável hábito de conferir o que recebem antes de compartilhar", afirma a diretora de Estratégias Digitais do SJCC, Maria Luiza Borges.


Às vésperas de novas eleições municipais e em meio à pandemia da covid-19, a plataforma funciona como um filtro, que pode ser usado antes do compartilhamento de informações. "Há várias ondas de desinformação em curso, que buscam turvar a percepção das pessoas sobre o real impacto do coronavírus. Elas estão se mostrando danosas para a qualidade do debate público. Agora, com as eleições chegando, há uma tendência de que isso seja acentuado. Estamos dando à sociedade mais instrumentos para evitar cair nelas", relata a coordenadora editorial do projeto e idealizadora do protótipo no mestrado em Indústrias Criativas da Unicap, Alice de Souza.

Reprodução da internet
Na página inicial do Confere.ai, o público poderá ler notícias sobre combate à desinformação e também enviar links para serem checados, - Reprodução da internet

Como foi desenvolvido o Confere.ai

O Confere.ai une conhecimentos jornalísticos à ciência da computação. Para determinar o nível de padrões de desinformação nos links checados, foram estudados mais de 22 mil conteúdos. "Foi construída uma base de dados composta por diversas notícias mineradas na internet, bem como classificadas por outros serviços de checagem e iniciativas de pesquisa. Aplicamos modelos computacionais baseados em uma aprendizagem previamente indicada", conta o doutor em biotecnologia e consultor de desenvolvimento do Confere.ai, Anthony Lins.


Para dar o resultado, os desenvolvedores criaram um medidor com níveis diferentes de classificação, baseado em quatro parâmetros diferentes. "Levantamos desde o mestrado e seguimos trabalhando com mais afinco agora em diversos critérios textuais que ajudam a máquina a distinguir uma informação de uma desinformação. Nos últimos meses, a equipe estudou os perfis textuais de milhares de matérias, das mais diferentes procedências. Além disso, analisamos a fonte e a presença de padrões estabelecidos em manuais jornalísticos", explica o doutor em Design da Informação, professor da Unicap e consultor editorial do projeto, Dario Brito.


Durante os meses de julho e agosto, a primeira versão da ferramenta passou por uma fase de teste. “Corrigimos alguns pontos, como nosso campo de busca, cores, disposição dos elementos na tela, que permitiram que a versão beta tenha ainda mais a cara dos nossos usuários. Assim, esperamos estar entregando um Confere construído por nós que o desenvolvemos e os utilizadores”, conta o líder técnico do projeto, Matheus Marinho.


A versão beta, lançada nesta quinta-feira (24), também está passível de ajustes e atualizações. Atualmente a ferramenta conta com uma precisão de 95% para links de notícias. Segundo os desenvolvedores, o desafio agora é calibrar a inteligência artificial, para aumentar o nível de precisão dela e, assim, ser cada vez mais útil para a população e também para os profissionais de comunicação. O próximo passo é lançar a versão que também avalia textos.

Plataforma tem integração com checagens do Projeto Comprova

O Confere.ai tem o objetivo de criar uma cultura de verificação na sociedade, sendo assim pretende visibilizar e ampliar o alcance de outras iniciativas de checagem, dando à audiência maior capacidade de discernimento no consumo de conteúdos digitais. Uma das funcionalidades integradas à ferramenta é disponibilizar ao público, na página de resultados, verificações realizadas pela equipe do Projeto Comprova, uma coalizão de checadores de veículos de comunicação de todo o Brasil, da qual o Jornal do Commercio faz parte.


Todas as vezes em que um link adicionado no Confere.ai for correlato a algum conteúdo já checado pelo Comprova, a página irá exibir as URLs desse material. Serão mostrados três links, para que você possa ver o que tem circulado de boatos sobre o mesmo assunto pesquisado. A ideia é dar mais subsídios para que a audiência possa atestar a confiabilidade do que está lendo, sobretudo porque o Comprova atua com um grupo de jornalistas especializados em checagem de fatos, capazes de analisar contexto e nuances no conteúdo que uma ferramenta automatizada, como o Confere, ainda não alcança.


O objetivo do Comprova é identificar e enfraquecer as sofisticadas técnicas de manipulação e disseminação de conteúdo enganoso que surgem em sites, aplicativos de mensagens e redes sociais. Neste ano, o projeto entrou em sua terceira fase, depois de um expediente de 75 dias dedicados a checar boatos sobre a covid-19.


Na fase atual, jornalistas de várias redações, incluindo a do JC, verificam além de dados relativos à pandemia conteúdos suspeitos sobre políticas públicas do Governo Federal e eleições municipais. Os conteúdos publicados pelo Comprova podem ser acessados na página do projeto ou no JC Online e no Confere.ai. É possível enviar pedidos de checagem através do WhatsApp (11) 97795-0022 ou pelo site.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias