Natureza

Pesquisa constata presença de cavalos-marinhos em estuários de Suape; saiba o que isso significa

Presença desse tipo de peixe é indicador de boa qualidade da água e equilíbrio entre as espécies

Douglas Hacknen
Douglas Hacknen
Publicado em 29/12/2020 às 18:49
Notícia

DIVULGAÇÃO
Cavalos-marinhos no estuários de Suape - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

O Instituto Hippocampus constatou, durante a primeira etapa da pesquisa que está sendo realizada em águas do Complexo Industrial Portuário de Suape, no Litoral Sul de Pernambuco, a presença de cavalos-marinhos. O monitoramento é feito por meio de convênio firmado, em novembro deste ano, entre Suape e a entidade sem fins lucrativos. De acordo com o Hippocampus, que atua há mais de 25 anos na preservação da espécie, a presença dos cavalos-marinhos seria um indicativo da boa qualidade da água e equilíbrio das espécies locais. 

>> Instituto Hippocampus recebe investimento de Suape para monitorar áreas de cavalos-marinhos em Pernambuco

>> Natureza guia retomada do turismo em Pernambuco

O monitoramento está sendo realizado nos estuários dos rios Tatuoca, Massangana, Ipojuca, Merepe e na área do Porto Externo de Suape, todos no Grande Recife. Além de mergulhos para pesquisa nesses pontos, também é feito o acompanhamento da atividade pesqueira no ambiente, para observar se existe captura acidental dos animais. Segundo o Instituto, desde o início das atividades da entidade no local, já nasceram mais de 8.900 cavalos-marinhos em Suape. Todos devolvidos aos locais de origem de seus pais, na Praia de Maracaípe, município de Ipojuca, no Litoral Sul.

O contrato firmado prevê atividades de educação ambiental, a partir de encontros mensais com pescadores de Suape, com o intuito de sensibilizá-los sobre a importância do animal para o bioma marinho. A captura acidental é apontada pelo Instituto como uma das principais causas da ameaça de extinção do cavalo-marinho.

O diretor de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Suape, Carlos André Cavalcanti, comemorou os resultados iniciais. “O cavalo-marinho é um bioindicador de qualidade ambiental, ou seja, sua presença no estuário é prova de equilíbrio entre as espécies e de boa qualidade da água, pois trata-se de um peixe extremamente sensível a poluentes. Onde há cavalos-marinhos significa que o lugar tem condições boas para as demais espécies marítimas”, explica.

“Estamos coletando material genético dos cavalos-marinhos para nosso banco de dados e nos preparando para um possível revigoramento populacional, caso haja necessidade, ao final do estudo. Mantemos um laboratório de reprodução implantado no Cetreino de Suape que já abriga o plantel de reprodutores de Maracaípe, onde continuamente eles têm se reproduzido e os juvenis liberados no Pontal de Maracaípe”, afirma a bióloga e coordenadora do Hippocampus, Rosana Beatriz Silveira.


Comentários

Últimas notícias