Patrocinada

Ligações clandestinas recuperadas em três meses daria para abastecer uma cidade inteira

A Neoenergia vem atuando para combater o crime do furto de energia, conhecido como ‘macaco’, nas cidades pernambucanas

JC360
Cadastrado por
JC360
Publicado em 27/05/2022 às 10:05 | Atualizado em 09/06/2022 às 18:32
Jailton Jr/JC IMAGEM
Furtar energia é equivalente a furtar um carro, uma bicicleta ou qualquer outro bem - FOTO: Jailton Jr/JC IMAGEM
Leitura:

As ligações clandestinas impactam diretamente na tarifa de energia elétrica de toda uma população. Para se ter uma ideia, somente no primeiro trimestre deste ano de 2022 a Neoenergia Pernambuco conseguiu recuperar em torno de 62 milhões de kilowatts no Estado. Isso equivale a abastecer por um mês o município de Olinda, um dos maiores da Região Metropolitana do Recife.

O combate ao furto de energia é urgente, pois esse desvio irregular impacta diretamente a vida de toda população, que acaba pagando a conta de luz mais alta. “As ligações clandestinas impactam diretamente na tarifa de energia elétrica. A Agência Nacional de Energia Elétrica, que determina esses reajustes tarifários, sinaliza que uma parte dessa perda, realizada através das ligações clandestinas e das gambiarras, seja passado para toda uma população. Então, ao final, não só uma distribuidora perde, mas toda uma sociedade é prejudicada com o aumento da quantidade dessas ligações clandestinas”, explica Gustavo Santos, gerente de operações da Neoenergia Pernambuco.

TIÃO SIQUEIRA/JC IMAGEM
Gustavo Santos, gerente de operações da Neoenergia PE, alerta para o crime previsto no Código Penal - TIÃO SIQUEIRA/JC IMAGEM

Além do monitoramento constante, do uso da tecnologia para mapear o consumo de determinadas áreas e as rondas diárias para combater as ligações clandestinas, a Neoenergia precisa contar também com apoio da população. As denúncias feitas pelos canais de comunicação são fundamentais e indispensáveis para auxiliar no melhor fornecimento de energia elétrica para todos.

“O que a gente está buscando junto com a população é o apoio. Quando a gente identifica as ligações clandestinas e faz esse trabalho de combate a esse tipo de ligação é porque, ao final, não apenas a distribuidora é prejudicada, mas toda uma população se prejudica junto com ela. Então, é importante que a população participe junto com a gente, denuncie, faça as sinalizações a partir dos nossos canais de atendimento”, comenta Gustavo Santos.

A Neoenergia disponibiliza para a população uma série de canais para denúncia. De forma anônima, é possível indicar os locais onde estão sendo realizados os chamados ‘macacos’. Para entrar em contato com a Neoenergia, basta acessar o site www.neoenergiapernambuco.com.br, ou falar pelo WhatsApp, adicionando o número (81) 3217-6990 ou acionar por meio do número 116, que é o teleatendimento da Neoenergia.

CRIME

Quem realiza ligação clandestina de energia não só está prejudicando o fornecimento de energia e colocando em risco a própria integridade física, mas também está cometendo um crime previsto no Código Penal Brasileiro. A pessoa que for flagrada furtando energia pode pegar até oito anos de prisão, além de ter que pagar toda a energia gasta que não foi devidamente computada pelo aparelho medidor.

“No momento em que é constatado a ligação clandestina, é aberto um processo administrativo e a cobrança varia de acordo com a capacidade de carga que foi instalada no local e quanto tempo essa irregularidade durou. E também são aplicadas sanções previstas nos Artigo 155 do Código Penal. O furto de energia não é um furto de menor qualificação em relação a outros. Então, o ato de furtar energia ele é equiparável a um furto de celular, de uma bicicleta ou de um produto de supermercado”, detalha o gerente de operações da Neoenergia Pernambuco.

 

Comentários

Últimas notícias