DECLARAÇÃO

"Temos a onda do covid sim, que leva a mortes, mas temos uma onda maior ainda que é o desemprego", diz Bolsonaro em live

O presidente voltou a defender a abertura do comércio, fechado por causa da pandemia do novo coronavírus

JC
JC
Publicado em 29/05/2020 às 0:13
Notícia
REPRODUÇÃO/FACEBOOK
Bolsonaro realiza lives no Facebook todas as quintas-feiras - FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK
Leitura:

Durante a tradicional live nas quintas-feiras, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) comentou sobre o auxílio emergencial, pago a trabalhadores informais e a mães solteiras durante a pandemia do novo coronavírus, voltou a falar da operação da Polícia Federal autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e afirmou que analisa três nomes para a Corte. Ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, e do secretário de Pesca, Jorge Seif, Bolsonaro afirmou que o auxílio, previsto inicialmente para ser pago durante três meses, deverá ter uma quarta parcela. O chefe do Executivo também voltou a defender a abertura do comércio, fechado por causa da pandemia, ao dizer que existe "uma onda maior" que a da covid-19.

"Nós já estamos estudando uma quarta parcela. O Paulo Guedes está definindo o valor para ter uma transição gradativa porque a gente espera que a economia volte a funcionar. Temos a onda do covid sim, a gente sabe que leva a mortes muitas vezes, mas temos uma onda maior ainda que é o desemprego. E, com todo o respeito, também leva a catástrofes para todos no País", comentou o presidente.

Bolsonaro ainda afirmou que a abertura do comércio não vai ser "de uma hora para outra". "A gente espera que a economia volte a funcionar. Eu vejo dizendo há 70 dias que tínhamos dois problemas, a vida, o vírus, e a questão do desemprego. Não vai voltar de uma hora para outra. Eu estou vendo que alguns estados estão abrindo shoppings, mas com restrição", completou.

Ainda durante a live desta quinta-feira (28), Bolsonaro voltou a comentar sobre as operações da Polícia Federal autorizada pelo STF que teve como alvo 17 bolsonaristas.

"Houve uma operação da PF ontem, 29 pessoas, a maioria delas sofreram busca e apreensão, hoje pela manhã eu falei sobre isso. O que é bom quando você se expressa é porque você se coloca no lugar da pessoa que sofre esse ato. Imagina se eu fosse um capitão da reserva com atividades bastante assíduas nas redes sociais. De repente, seis da manhã chega a PF para fazer busca e apreensão. São gente de bem, pessoas que me apoiam, apoiam a política que a gente tem, são conservadores, respeitam a família, são armamentistas, defendem o livre mercado, são pessoas normais", disse o chefe do Executivo.

A live se estendeu por pouco mais de 1 hora porque o presidente participou de um programa da rádio Jovem Pan. Ao comentar sobre as vagas que serão abertas para o STF, uma neste ano, com a aposentadoria compulsória do ministro Celso de Mello, e em 2021, com a aposentadoria do ministro Marco Aurélio, Bolsonaro comentou que analisa três nomes para a Corte. ""Houve uma operação da PF ontem, 29 pessoas, a maioria delas sofreram busca e apreensão, hoje pela manhã eu falei sobre isso. O que é bom quando você se expressa é porque você se coloca no lugar da pessoa que sofre esse ato. Imagina se eu fosse um capitão da reserva com atividades bastante assíduas nas redes sociais. De repente, seis da manhã chega a PF para fazer busca e apreensão. São gente de bem, pessoas que me apoiam, apoiam a política que a gente tem, são conservadores, respeitam a família, são armamentistas, defendem o livre mercado, são pessoas normais", declarou.

Em relação a uma possível terceira indicação, que não está prevista para os próximos três anos, Bolsonaro mencionou o nome do procurador-geral da República, Augusto Aras. "Eu costumo dizer que eu tenho três nomes, que eu não vou revelar, que eu namoro para indicar para o Supremo Tribunal Federal. Um vai ser evangélico, é um compromisso que eu tenho com a bancada evangélica. Pessoal critica, não tem nada a ver. Se é católico, cristão, evangélico, candomblecista, ateu, não interessa. Tem que ter conhecimento e desenvolver seu papel lá, mas uma pitada de religiosidade, de cristianismo, no meu entender, é muito bem-vinda", completou.

Assista a integra da live

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias