Para aliados de João, "virada de voto" começou

Publicado em 26/11/2020 às 2:00
Leitura:

O discurso da "virada de voto" foi adotado pelos aliados do candidato a prefeito do Recife, o deputado federal João Campos (PSB), após divulgação da segunda rodada da pesquisa Ibope/JC/Rede Globo para o segundo turno. O tom antipetista também será mantido nesta reta final de campanha.

"A virada acontece na hora certa. A corrida não é de velocidade é de resistência. O nosso conjunto político tem consistência. João Campos, que o representa neste momento, é um excelente candidato e é de chegada. Essa pesquisa reflete a realidade. Estamos na ultrapassagem, vamos ganhar", afirmou o deputado federal Tadeu Alencar (PSB).

Segundo o Ibope, João Campos obteve um crescimento entre os entrevistados que possuem uma renda salarial de dois a cinco salários mínimos, indo de 35% para 40%. Entre o eleitorado mais velho, de 55 anos em diante, Campos ainda possui uma preferência maior com 46%, antes eram 44%. Quando o recorte é a respeito da escolaridade, o socialista caiu de 52% para 45% das intenções de voto de quem tem o ensino fundamental, mas cresceu entre os que têm o ensino médio, indo de 35% para 45% das menções.

"A estratégia é a que está em curso, mostrar o que fizemos, o que vamos fazer e o que nos separa de arranjos políticos eventuais. A hora é de unir a população, dialogar com o futuro, acender a esperança que é uma marca de Pernambuco. A questão agora não é de tomar distância, é consolidar a primeira posição. Daqui até domingo é manter o ritmo, a calma e pisar no acelerador", avaliou Alencar.

A pesquisa também mostra que, entre os eleitores que avaliam a gestão do prefeito Geraldo Julio (PSB) como boa e ótima, houve um recuo da preferência pelo deputado federal, de 63% das intenções de voto, agora ele conta com 58%.

Inclusive, boa parte do guia eleitoral de João Campos, veiculado nesta quarta, foi dedicado a enaltecer as ações feitas durante esses quase oito anos em que Geraldo Julio está à frente da Prefeitura do Recife. No vídeo, o chefe do Executivo municipal critica os ataques sofridos pelos adversários nestas eleições.

"Passei a campanha inteira assistindo como os candidatos adversários injuriavam nossa cidade e nosso trabalho. Sem sequer reconhecer uma obra, uma ação da prefeitura. Não me preocupa a baixaria em si, o que me preocupa é que, como diz João Campos, nada sólido se constrói sobre solo mole da mentira", declarou o prefeito. Durante as eleições, o candidato socialista foi acusado de querer esconder tanto o prefeito quanto o governador Paulo Câmara, de sua campanha.

Nas agendas de campanha, também é possível identificar o tom de crítica aos 12 anos do PT. João Campos realizou o chamado "porta a porta", ontem, acompanhado da sua candidata a vice, Isabella de Roldão (PDT), em bairros da Zona Oeste e Zona Sul. A agenda teve início na comunidade Caranguejo Tabaiares, na Ilha do Retiro, depois seguiu para o Ibura e finalizou em Roda de Fogo, nos Torrões.

Durante as visitas, ele entregou os seus panfletos contendo propostas para o Recife. "A gente não pode deixar a nossa cidade andar pra trás. Tivemos avanços nos últimos anos? Tivemos, mas ainda temos muitas conquistas para alcançar. O Recife tem desafios e a gente está pronto para vivenciar novos avanços. Nossas propostas são reais e vão olhar, sobretudo, para quem mais precisa", afirmou o socialista.

OCORRÊNCIA

O agora ex-chefe de gabinete do deputado federal Túlio Gadêlha (PDT), Rafael Bezerra, usou a sua conta no Twitter para informar que registrou um Boletim de Ocorrência contra o parlamentar. Na segunda-feira (23), Gadêlha afirmou que o PSB teria procurado Bezerra para tentar "negociar" o seu silêncio no segundo turno das eleições na capital pernambucana. O assessor, contudo, negou a informação e pediu exoneração do cargo. Depois disso, Túlio lançou uma nota em que dizia ser comum as pessoas voltarem atrás "diante de pressão".

No Twitter, Rafael Bezerra disse que decidiu procurar a polícia por considerar ter sido vítima de uma "calúnia" por parte do deputado federal. "Procedi registro de Boletim de Ocorrência contra a calúnia proferida contra a minha pessoa. Após proceder exoneração a pedido, regresso às minhas atividades como servidor do Ministério Publico de Pernambuco. A verdade é filha do tempo e a justiça há de prevalecer", declarou, na publicação.

 

Comentários

Últimas notícias