PROTESTO

Ao som de marcha fúnebre, Bolsonaro é vaiado na saída do Ministério da Saúde; assista

O presidente também foi chamado de "miliciano", "assassino" e "bandido"

Estadão Conteúdo Douglas Hacknen
Estadão Conteúdo
Douglas Hacknen
Publicado em 05/01/2021 às 22:23
Notícia
REPRODUÇÃO/TWITTER
Bolsonaro vaiado após reunião - FOTO: REPRODUÇÃO/TWITTER
Leitura:

Após sair de uma reunião com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, nesta terça-feira (5), o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), foi vaiado por um grupo que se concentrava fora do prédio da pasta. Um trompetista tocou a marcha fúnebre e mandatário brasileiro foi chamado de “miliciano”, “assassino” e “bandido”.

Além de críticos, apoiadores de Bolsonaro também estavam no local.

>> Bolsonaro diz que Brasil está 'quebrado' e que não consegue fazer nada

>> Bolsonaro faz reunião em ministério sobre plano de imunização e compra de insumos

Segundo o UOL, inicialmente, a reunião não constava na agenda oficial do chefe do Executivo, mas foi incluído horas antes e durou cerca de uma hora e meia. O Ministério indicou que a reunião foi para  “atualização dos cenários detalhados a respeito do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19”.

A reunião

A estratégia de imunização contra a covid-19 no País foi tema de reunião entre o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira, 5. O chefe do Executivo esteve nesta tarde na sede da pasta em visita técnica para atualizações sobre o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. Ele também foi informado sobre as negociações de compra de imunizantes e as expectativas de aquisição de seringas e agulhas.

>> Alguém precisa mostrar a Bolsonaro que quanto maior a demora para vacinar, maiores são os riscos para a economia

Como o Broadcast Político/Estadão mostrou, o governo fez uma requisição de estoques excedentes de agulhas e seringas na indústria nacional. Após uma tentativa frustrada de adquirir os itens no último dia 29, o governo espera a entrega de 30 milhões de unidades em janeiro. Além da requisição dos estoques, o governo federal também restringiu a exportação dos produtos e deve retirar impostos para a importação.

O Ministério da Saúde se prepara para iniciar a imunização em 20 de janeiro com a chegada de doses prontas da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca, oriundas da Índia. O imunizante será importado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que para tal estima custo total de R$ 56 milhões. O início da campanha depende ainda da autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

Comentários

Últimas notícias