Racha

Maia diz que ACM Neto entregou a cabeça do DEM "na bandeja" ao Planalto

Ex-presidente da Câmara fala em traição e vê o DEM como partido de Bolsonaro para 2022

JC
JC
Publicado em 08/02/2021 às 13:17
Notícia
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Maia viu seu candidato a presidente da Câmara ser derrotado pelo candidato de Bolsonaro - FOTO: Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Leitura:

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia demonstrou descontentamento com sua sigla, o Democratas (DEM). Em entrevista ao jornal Valor Econômico, publicada nesta segunda-feira (8), o deputado disse que a legenda foi para a "extrema-direita" e fez críticas ao presidente do DEM, Antonio Carlos Magalhães Neto, o ACM Neto.

Maia afirmou ter demorado a perceber que tinha sido "traído" por quem considerou ser um amigo de 20 anos. A Comissão Executiva Nacional do DEM decidiu pela neutralidade na eleição para o comando da Câmara enquanto Maia apoiava o deputado Baleia Rossi (MDB-SP), que foi derrotado por Arthur Lira (PP-AL), candidato de Jair Bolsonaro.

>> Réu na linha de sucessão não é o melhor para o País, diz Fux sobre Arthur Lira

>> Bolsonaro vê chance de fazer andar sua pauta econômica com Lira e Pacheco

“Todo mundo dizia que ele [ACM Neto] tinha feito acordo. O Palácio dizia que ele tinha feito acordo, Ciro Nogueira dizia que o DEM ia ficar neutro e eu falava que não, que o Neto tinha me dito que não”, afirmou Maia. Segundo ele, a negociação foi um “papelão”.

"Combinei tudo com o presidente e o líder do partido. Até meu discurso de formação do bloco, um discurso duro, enviei para o Neto e ele concordou, disse que estava espetacular. Mesmo a gente tendo feito o movimento que interessava ao candidato dele no Senado (Rodrigo Pacheco), ele entregou a nossa cabeça numa bandeja para o Palácio do Planalto", declarou Maia.

Bolsonaro

Segundo Maia, o DEM deu uma guinada à direita e pode se tornar o partido de Bolsonaro para a disputa da reeleição em 2022. "O DEM decidiu majoritariamente por um caminho, voltando a ser de direita ou extrema-direita, que é ser um aliado do Bolsonaro. Não descarto nem a hipótese de o Bolsonaro acabar filiado ao DEM", falou Maia.

Com isso, de acordo com Rodrigo Maia, a legenda afasta a chance de apoio a possíveis adversários d e Bolsonaro na eleição presidencial de 2022, como o apresentador Luciano Huck. “Se decidisse ser candidato, [Huck] estava 90% resolvido que se filiaria ao DEM”, afirmou Maia.

Desgastado dentro do partido, Maia deve migrar para outra sigla. Nos últimos dias, especulou-se que ele poderia se filiar ao Cidadania, ao PSDB ou ao PSL. O deputado disse que ainda está decidindo para qual partido irá. "Apenas quero deixar claro para os que me acompanham e acompanharam meus 4 anos e 7 meses à frente da Câmara que não sou um vendido, que tenho caráter, que [não] construí um bloco com partidos de direita e esquerda para enganar essas pessoas. Estarei num partido que será de oposição ao presidente Bolsonaro.”

Comentários

Últimas notícias