Investigação

Bolsonaro: Continuamos trabalhando; não estamos preocupados com essa CPI da Covid

A criação da CPI foi determinada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do STF

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 29/04/2021 às 21:51
Notícia
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O presidente Jair Bolsonaro participa da divulgação das empresas selecionadas para operação do Centro Espacial de Alcântara. - FOTO: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Leitura:
Com o governo na mira e acumulando derrotas no âmbito da CPI da Covid, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (29), que não está preocupado com a atuação do colegiado. O presidente destacou que as ações do governo seguem "a todo vapor". "Quinta-feira última desembarcaram no Brasil aqui 14 carretas para o transporte de oxigênio (medicinal). A gente continua trabalhando a todo vapor. Não estamos preocupados com essa CPI. Nós não estamos preocupados", disse em transmissão ao vivo nas redes sociais.
"Num primeiro momento (a CPI) é para investigar omissões e ações do governo, nem tinha fato definido e acabou lá aquele ministro aquele ministro do Supremo (Tribunal Federal) determinando ao Senado que instaurasse, que abrisse, a CPI", declarou.
A criação da CPI foi determinada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do STF. Desde a determinação, com o apoio de Bolsonaro, governistas articularam a inclusão da investigação dos repasses da União a Estados e municípios. "Foi feito uma coleta de assinaturas para uma nova CPI, teve até mais assinaturas que a primeira, para investigar também os recursos mandados pelo governo federal para Estados e municípios", citou.
A estratégia de mirar as ações de governadores e prefeitos foi amplamente defendida por Bolsonaro, que tem interesse em dividir o foco das investigações da CPI. Nesta quinta-feira, em mais uma derrota à ala governista, a comissão aprovou a convocação de ex-ministros da Saúde do governo Bolsonaro, entre eles o general Eduardo Pazuello, e do atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga, que devem ser ouvidos na semana que vem.
Os ex-ministros da pasta Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, além do presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, também foram convocados. O plano apresentado pelo relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), prevê apurar, entre outras ações do governo, a compra de vacinas, o incentivo ao uso de medicamentos sem eficácia comprovada, o colapso da saúde no Amazonas e o envio de verbas.
 

Últimas notícias