Redes sociais

'Ecocida', 'Pior ministro', 'já vai tarde': Oposição a Bolsonaro comemora queda de Ricardo Salles do Ministério do Meio Ambiente

A exoneração foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) e pernambucanos como Danilo Cabral, Carlos Veras e Marília Arraes também se manifestaram

JC
JC
Publicado em 23/06/2021 às 18:33
Notícia
JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
Ricardo Salles foi exonerado do cargo de Ministro do Meio Ambiente - FOTO: JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Logo anunciada a queda do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro, a oposição foi às redes sociais comemorar a saída do gestor da pasta. A exoneração foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) e informa que foi a pedido de Salles. No mesmo decreto, Bolsonaro nomeou Joaquim Alvaro Pereira Leite como novo ministro do Meio Ambiente.

>> Alvo de investigações, Ricardo Salles é exonerado do cargo de ministro do Meio Ambiente

>> Salles: para que união de interesses seja mais serena, apresentei exoneração

>> Alexandre de Moraes consulta PGR sobre possibilidade de prisão de Salles

Líder da Oposição na Câmara dos Deputados, Alessandro Molon (PSB) classificou Ricardo Salles como "o pior ministro" do Meio Ambiente que o Brasil já teve. "Já vai tarde! Agora terá que acertar suas contas com a Justiça. Esse será o destino de muitos que servem a esse desgoverno. Não há mal que dure para sempre", afirmou o socialista.

Deputado federal pelo PSOL-RJ, David Miranda lembrou que a gestão de Ricardo Salles no Ministério do Meio Ambiente ficou marcada por uma polêmica envolvendo reunião ministerial de 22 de abril de 2020, na qual Salles sugeriu a Bolsonaro que o governo aproveitasse a pandemia da covid-19 para "ir passando a boiada", alterando regras ambientais. "Ricardo Salles acaba de pedir demissão do ministério do Meio Ambiente. A boiada passou por cima dele", escreveu o deputado David.

Deputada federal por Pernambuco, Marília Arraes, do PT, chamou Salles de inimigo do Meio Ambiente. Também do PT, Carlos veras lembrou que Salles é alvo de investigação e disse que a exoneração foi "um alívio para o meio ambiente".

Danilo Cabral, do PSB de Pernambuco, classificou Salles como 'Ecocida' e criticou sua gestão. "Passagem criminosa do Ministro foi marcada por ataques ao meio ambiente com desmatamento da Amazônia, flexibilização das regras de Licenças, desmonte dos órgãos de controle e denúncias de envolvimento promíscuo com madeireiras".

O deputado Ivan Valente (PSOL) também chamou Salles de "ecocida" e "corrupto". "Ricardo Salles, envolvido até o pescoço com madeireiros ilegais, finalmente foi demitido! Vitória após pressão! Salles terminará na prisão", escreveu.

Deputado federal e secretário-geral do PT, Paulo Teixeira afirmou que as "florestas agradecem" a queda do ministro. "O maior desmatador do Brasil pede demissão do Ministério do Meio Ambiente. Fora Ricardo Salles. O próximo é Bolsonaro", disse.

Líder da bancada do PSOL na Câmara, Talíria Petrone também se manifestou sobre a saída. "Finalmente o pior ministro do Meio Ambiente, único em toda história acusado de crimes ambientais, CAIU! Agora precisamos derrubar o chefe genocida!".

O senador Randolfe Rodrigues (Rede), vice-presidente da CPI da Covid no Senado, disse que Salles "já vai tarde".

Ricardo Salles é alvo de inquérito, autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR), por supostamente ter atrapalhado investigações sobre apreensão de madeira. A suspeita foi apresentada pela Polícia Federal. Salles nega ter cometido irregularidades.

Comentários

Últimas notícias