Declaração

Renan diz que CPI da Covid não teme 'quarteladas' e cobra apoio de Pacheco e Lira

O relator CPI reagiu aos ataques do presidente Jair Bolsonaro

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 09/07/2021 às 12:41
Notícia
PEDRO FRANÇA/AGÊNCIA SENADO
"Nós não vamos investigar instituição militar, longe de nós. Temos responsabilidade institucional", declarou Renan Calheiros - FOTO: PEDRO FRANÇA/AGÊNCIA SENADO
Leitura:
O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), reagiu aos ataques do presidente Jair Bolsonaro , após um episódio de tensão entre as Forças Armadas e o Senado, declarou que a comissão não teme "quarteladas". Além disso, ele cobrou publicamente apoio dos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL).
A cúpula da CPI enviou nessa quinta-feira (8) uma carta a Bolsonaro, cobrando dele que se manifeste sobre as denúncias de corrupção apresentadas pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF), referentes às negociações para compra da vacina indiana Covaxin. O presidente não só desafiou a CPI como recorreu a xingamentos para dizer que "em hipótese alguma" atenderá a esse pedido.
No mesmo dia, o ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, e o comandante do Exército, general Paulo Sérgio de Oliveira, telefonaram para o presidente do Senado tentando dissipar o clima de tensão entre as Forças Armadas e o Senado. Braga Netto e os chefes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica divulgaram uma nota de repúdio ao presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), após o senador ter afirmado que o "lado podre" das Forças Armadas estão envolvidos em "falcatruas do governo".
"Nós não podemos ter medo de arreganhos, de ameaças, de intimidações, de quarteladas", disse Renan durante discurso na CPI. O relator ainda fez um apelo de apoio a Arthur Lira que, de acordo com ele, "não tem perdido oportunidade de falar mal da CPI", e a Rodrigo Pacheco, que acumula insatisfações internas dos integrantes da comissão. O presidente do Senado foi cobrado por colegas para ter expressado um apoio mais explícito a Omar Aziz e reagido de forma mais enfática à nota militar.
"Nós não vamos investigar instituição militar, longe de nós. Temos responsabilidade institucional. Agora, nós vamos, sim, investigar o que aconteceu nos porões do Ministério da Saúde e, na medida em que esses fatos forem conhecidos e essas provas forem sendo apresentadas, nós vamos cobrar punição dos seus responsáveis, sejam eles civis, sejam eles militares", declarou Renan.
 

Últimas notícias