Eleições 2022

'O tempo é que vai definir isso', diz Eriberto Medeiros sobre possível desembarque do Progressistas

De acordo com o parlamentar, a decisão pela sua saída ou não da legenda vai depender das mudanças no sistema eleitoral que podem ser realizadas pelo Congresso nacional nos próximos meses

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 23/07/2021 às 19:14
Notícia
Alepe/Divulgação
O presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP) - FOTO: Alepe/Divulgação
Leitura:

O presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), Eriberto Medeiros, afirmou nesta sexta-feira (23) que pode vir a deixar o Progressistas para disputar as eleições de 2022. De acordo com o parlamentar, a decisão pela sua saída ou não da legenda vai depender das mudanças no sistema eleitoral que podem ser realizadas pelo Congresso Nacional nos próximos meses.

"Nós sabemos que a cada quatro anos os deputados, tanto estaduais quanto federais, têm que fazer avaliação do cenário político e do sistema eleitoral. Nós estamos a um ano da próxima campanha eleitoral e até hoje não sabemos as regras para a eleição. E diante de tantas dúvidas as pessoas não sabem onde se acomodar. Por exemplo, se continuar o sistema como está, nós temos pelo menos uma dúzia de deputados federais que não poderão continuar nos seus partidos porque não têm como montar uma chapa com número suficiente de candidatos para alcançar o quociente eleitoral. (...) Só depois dessa reforma, que se encerrará no mês de setembro, os deputados e deputadas terão o seu destino resolvido", observou Eriberto, em entrevista à Rádio Clube.

>> Eriberto Medeiros e Eriberto Rafael articulam promoção de sargentos da PM e Bombeiros

>> Deputados estaduais vão se reunir com secretário Antonio de Pádua para falar da ação policial no ato contra Bolsonaro

>> Cotado para o Senado, presidente da Alepe elogia vacinação do Recife, criticada pela oposição

>> Eriberto Medeiros é reeleito presidente da Alepe

Rumores de que a relação de Eriberto com o partido estariam estremecidas ganharam força na última semana, durante a convenção que reconduziu o presidente estadual da sigla, o deputado federal Eduardo da Fonte, ao comando da agremiação. Isso porque nem Eriberto nem os também deputados estaduais Fabrizio Ferraz e Fabíola Cabral compareceram ao evento. Na entrevista de hoje, o presidente da Alepe afirmou que a sua relação com Dudu é "harmônica". 

Questionado se os rumores de que poderia migrar para o PSB teriam fundamento, o aliado do governador Paulo Câmara (PSB) não descartou a possibilidade, mas limitou-se a dizer que está "na Frente Popular". "Eu e vários deputados temos sido procurados por presidentes de partidos para conversar, para mostrar as condições de nos elegermos nessas legendas. Mas nós estamos na Frente Popular, estamos fazendo essas contas e buscando o melhor caminho para nos eleger e estarmos acomodados. Se ventila essa possibilidade de sair do PP, mas nunca existiu nenhuma conversa com a direção do partido sobre isso. O tempo é que vai definir isso", declarou o parlamentar.

Sobre o estreitamento das relações da cúpula nacional do Progressistas com o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que pode culminar com a entrega da Casa Civil para o presidente nacional da sigla, Ciro Nogueira, Eriberto disse acreditar que essas tratativas devem interferir nas relações do partido com o PSB nas eleições de 2022 em Pernambuco.

"Nós estamos em uma fase de muita indefinição. Fazemos parte da Frente Popular e existe distanciamento a nível federal da coligação com o atual presidente da República, e se existe a pretensão do partido de continuar na Frente Popular em Pernambuco, esse ponto será relevante. Isso porque existe uma aproximação grande da Frente Popular com a candidatura do ex-presidente Lula (PT) ou do Ciro Gomes (PDT), mas não temos nenhuma notícia do grupo se aproximar de uma eleição do atual presidente. A aproximação do presidente nacional (com Bolsonaro), que na próxima semana deve assumir uma posição de destaque no governo será mais um motivo para a reorganização das forças políticas", declarou Eriberto Medeiros.

Comentários

Últimas notícias