COVID-19

Bolsonaro volta a criticar imunização de crianças: 'Qual o interesse das pessoas taradas por vacina?'

Na tentativa de, novamente, colocar em dúvida a importância da vacinação das crianças, o presidente alegou que se "algum moleque que morreu de covid" tinha "outra comorbidade qualquer"

JC Estadão Conteúdo
JC
Estadão Conteúdo
Publicado em 06/01/2022 às 16:40
ALAN SANTOS/PR
Entre todos os pré-candidatos, o atual presidente é quem tem a maior rejeição: 64% - FOTO: ALAN SANTOS/PR
Leitura:

O presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a criticar a vacinação para crianças com idade entre 5 e 11 anos contra covid-19, nesta quinta-feira (6). Ele ainda reforçou que não irá vacinar sua filha, Laura, de 11 anos, e afirmou não ter conhecimento de crianças que teriam morrido em decorrência da doença, nessa faixa etária, para justificar a vacinação, apesar de números comprovarem a ocorrência das mortes.

"A minha filha não será vacinada. Uma das questões que a gente colocou, no Ministério da Saúde, e que você pai tem que saber: a Pfizer, dona dessa vacina, não se responsabiliza por efeitos colaterais. E a própria Anvisa, que autorizou a vacina, diz que a criança logo após a vacinação pode sentir falta de ar e palpitações. Eu pergunto, você tem conhecimento de uma criança de 5 ou 11 que tenha morrido de covid? Eu não tenho", disse o presidente durante entrevista a TV Nova Nordeste, de Pernambuco.

Na tentativa de, novamente, colocar em dúvida a importância da vacinação das crianças, o presidente alegou que se "algum moleque que morreu de covid" tinha "outra comorbidade qualquer". "Quando se trata de criança, não se deixe levar pela propaganda", disse. "Qual o interesse da Anvisa por trás disso aí? Qual o interesse das pessoas taradas por vacina?", completou.

Dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e do o Sistema de Informação de Vigilância da Gripe (Sivep-Gripe) apontam que ao menos 560 crianças entre 5 e 11 anos morreram de covid-19 no País, segunda maior causa de óbitos na faixa, atrás apenas de acidentes de trânsito.

Tratamento precoce e passaporte vacinal

Bolsonaro voltou a pregar tratamento precoce e uso de medicamentos sem eficácia contra covid e respondeu às críticas sobre suas constantes falas negacionistas. Disse que não poderia ser considerado um negacionista porque autorizou a compra de vacina.

O presidente voltou a se colocar contra a adoção do passaporte vacinal. "Da nossa parte jamais exigirei passaporte vacinal, até porque, você tá vendo gente com a terceira dose de vacina morrendo. Você viu agora pouco alguns navios de cruzeiro no Brasil, todos 100% vacinados, onde um número considerável de pessoas foram contagiadas pelo vírus", questionou.

O chefe do Executivo chamou de autoritária a ação de governadores que determinaram a necessidade do documento. "Nunca se viu isso antes".

De acordo com o presidente as vacinas compradas até o momento "é pra quem quiser tomar, em nenhum momento eu exigi que qualquer cidadão viesse a tomar a vacina".

Comentários

Últimas notícias