Ex-executivo da Globo faz duras críticas à emissora

MIRELLA MARTINS
MIRELLA MARTINS
Publicado em 30/11/2015 às 9:18
jose-bonifacio-de-oliveira-sobrinho_o-boni FOTO:
Leitura:

jose-bonifacio-de-oliveira-sobrinho_o-boni

Em entrevista ao Estadão, Boni, ex-executivo da Rede Globo, falou sobre o novo livo que está lançando, o Unidos do Outro Mundo – Dialogando com os Mortos. Mas, em meio à conversa sobre o meio televisivo, ele fez duras críticas a Globo e suas novas técnicas. Boni citou o noticiário Jornal Nacional que, para ele, precisa de mais seriedade:

“Hoje, mais do que nunca, o cara quando vê o ‘Jornal Nacional’, já viu aquilo em outro lugar. Então, o que o espectador precisa ver ali? Se aquilo é verdade. O cara tem que sentar lá e fazer sério. Agora, levantar, botar apelido, chamar de Maju, isso não tem sentido. O Brasil é um país informal, mas o ‘Jornal Nacional’ é um boletim de hard news, informação, e tem que passar a percepção de que se (a notícia) deu no ‘Jornal Nacional’, é verdade.”

Ele também criticou as novelas da emissora, que "há um exagero de favelas, de violência em cima de violência. Se uma novela é violenta, a outra tem que ser mais tranquila, mais romântica, mais comédia, senão o cara não aguenta".

O programa Fantástico também não escapou dos comentários de Boni. "O Fantástico hoje é uma colcha de retalhos, em vez de ser um mosaico. São coisas parecidas, mas a colcha de retalhos não tem conexão entre uma coisa e outra. Tinha que ter a grande matéria, a matéria de capa, mas é tudo soltinho, e quando as matérias são grandes, são policiais", disse.

Últimas notícias